Turismo

Turismo: Governo cede Pavilhões do Parque nas Caldas da Rainha a privados

Os Pavilhões do Parque, nas Caldas da Rainha, são o terceiro edifício concessionado a privados pelo Governo

É a mais recente concessão do Governo a investidores privados. No âmbito do programa de Valorização do Património, o Executivo vai entregar os Pavilhões do Parque D. Carlos I, nas Caldas da Rainha, a uma entidade privada para exploração turística.

O memorando de entendimento para a concessão vai ser assinado amanhã pela secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho.

Além do edifício dos Pavilhões do Parque, uma construção do século XIX projetado por Rodrigo Berquó, a área cedida pelo Governo inclui as instalações do antigo casino, conhecidas hoje como “Casa da Cultura Céu de Vidro”.

Os edifícios, que segundo o Governo estão num estado “razoável” de conservação, são património do Estado que se encontra cedido à Câmara Municipal das Caldas da Rainha.

O projeto que vai nascer nos edifícios históricos ainda não é conhecido, mas o Governo adianta que o “complexo edificado oferece possibilidades de adaptação a uma unidade hoteleira de grande dimensão”.

30 edifícios requalificados

Os Pavilhões do Parque fazem parte de uma lista de 30 edifícios públicos degradados que o Governo quer entregar à concessão de investidores privados, no âmbito do programa “Valorização do Património”.

O programa, que une os ministérios da Economia, Cultura e Finanças, prevê um investimento privado de 150 milhões de euros.

Além dos Pavilhões do Parque, nas Caldas da Rainha, está já confirmada a transformação do Convento de São Paulo, em Elvas, numa unidade hoteleira. O caderno de encargos prevê a concessão do espaço ao investidor durante 40 anos e um investimento superior a cinco milhões de euros.

O segundo edifício cedido pelo Governo é a Quinta do Paço de Valverde, em Évora, que também será transformada num hotel de quatro ou cinco estrelas, num prazo de concessão de 30 anos.

O ministério da Economia prevê divulgar a lista completa dos 10 primeiros imóveis até ao final de setembro, e os restantes 20 até ao final do ano.

Durante a apresentação do programa, que decorreu no final de julho, o ministro da Economia revelou que estão a ser criadas linhas de crédito para os investidores, e que são “vários” os interessados em requalificar património público. O ministério da Economia sublinha que apesar da concessão, o património mantém-se nas mãos do Estado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lear Corporation

Há mais de 800 mil portugueses a trabalhar por turnos

Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública. (António Pedro Santos / Lusa)

Governo vai reservar verba para financiar pré-reformas no Estado

Rui

“Se Rui Rio ganhar as eleições do PSD este Governo dura quatro anos”

Outros conteúdos GMG
Turismo: Governo cede Pavilhões do Parque nas Caldas da Rainha a privados