Internacional

Morreu o estudante norte-americano que esteve preso na Coreia do Norte

Otto Warmbier foi preso na Coreia do Norte em março de 2016.
REUTERS/Kyodo
Otto Warmbier foi preso na Coreia do Norte em março de 2016. REUTERS/Kyodo

Otto Warmbier tinha regressado na terça-feira passada aos Estados Unidos em coma.

Dias depois de ter regressado a casa, Otto Warmbier, de 22 anos, acabou por morrer. O estudante norte-americano tinha sido sentenciado em março de 2016 a 15 anos de trabalhos forçados na Coreia do Norte por ter tentado roubar um cartaz de propaganda de um hotel. O regime de Pyongyang acabou por libertá-lo 17 meses depois e enviá-lo de volta aos Estados Unidos, onde o jovem chegou na terça-feira, em estado de coma.

A família assegura que não tinha conhecimento do estado de saúde de Otto Warmbier e os médicos norte-americanos revelam dificuldades em acreditar na versão da Coreia do Norte, que indica que o coma do estudante se deveu a um caso de botulismo (infeção alimentar grave, que pode ser letal), combinado com um comprimido para dormir. Pyongyang invocou razões humanitárias para a justificar a libertação do jovem.

Warmbier acabou por morrer esta segunda-feira, quase uma semana depois de ter regressado a casa, em estado vegetativo, com extensas lesões cerebrais e sem responder a estímulos externos. “Infelizmente, as terríveis torturas que o nosso filho sofreu às mãos dos norte-coreanos fizeram com que não fosse possível outro fim que não este que experienciamos hoje”, indicou a família em comunicado, sem aprofundar as causas da morte do jovem.

O presidente norte-americano Donald Trump já enviou as suas condolências, denunciando a “brutalidade do regime da Coreia do Norte, enquanto lamentamos a sua mais recente vítima”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Outros conteúdos GMG
Morreu o estudante norte-americano que esteve preso na Coreia do Norte