internacionalização

Estudantes de mais de 100 países arrendaram casa em Portugal

estudantes

Entre os estudantes estrangeiros que ficaram alojados em Portugal destacam-se os brasileiros e europeus

Os estudantes estrangeiros que ficaram alojados em Portugal em 2016 eram provenientes de 109 países diferentes, destacando-se a presença de brasileiros e europeus, segundo um relatório da plataforma ‘online’ Uniplaces, hoje divulgado.

“O ano de 2016 foi um grande ano em termos de mobilidade de estudantes internacionais em Portugal, uma tendência que tem vindo a verificar-se nos últimos anos”, afirmou a Uniplaces, revelando que o número de arrendamentos na plataforma cresceu 183% face a 2015.

Os dados do relatório da Uniplaces sobre o mercado de arrendamento a estudantes são baseados nos contratos de arrendamento mensais feitos por estudantes portugueses e estrangeiros em Lisboa, Porto e Coimbra durante 2016.

Neste âmbito, o relatório concluiu que Lisboa continuou a ser a cidade mais procurada (74%), tanto por estudantes estrangeiros como portugueses, contudo “foi o Porto (21%) que teve a melhor evolução no ano, com o número de arrendamentos a aumentar quase 300% face a 2015”, posicionando-se em último, em termos de preferências, a cidade de Coimbra (5%).

Além do crescimento da procura, a plataforma ‘online’ para alojamento de estudantes universitários registou um aumento do lado da oferta, verificando-se uma subida de 33% no número de anúncios.

Em relação à nacionalidade dos universitários alojados em Portugal através da Uniplaces, 77% dos estudantes eram estrangeiros, provenientes de 109 países diferentes, o que representou “um ligeiro decréscimo face a 2015 (85%)”, de acordo com os dados do relatório.

Do total de estudantes estrangeiros em Portugal, 67% eram provenientes de nove países: Brasil (13%), Itália (11%), Alemanha (10%), França (9%), Espanha (9%), Polónia (5%), Holanda (4%), Grã-Bretanha (3%) e Bélgica (3%).

Sobre a duração da estadia, a média situou-se nos 4,9 meses, verificando-se que são os estudantes portugueses os que ficam alojados durante períodos mais longos, em média um mês a mais do que estudantes estrangeiros (5,7 meses e 4,7 meses, respetivamente).

“Já os gastos com renda mensal, que se situaram nos 415 euros, mostram um cenário diferente: são os portugueses que estão dispostos a pagar menos por renda (395 euros por mês face a 420 euros por mês por parte de estudantes estrangeiros)”, apurou o relatório da Uniplaces, revelando ainda que são os estudantes do Reino Unido que estão dispostos a pagar mais pelo alojamento em Portugal, gastando em média 496 euros por mês.

Os gastos em alojamento também variam consoante a cidade. Lisboa é a cidade onde os estudantes pagam mais por renda mensal, que em média ronda os 438 euros, seguindo-se Porto, com uma renda média de 378 euros, e Coimbra, onde o gasto médio no alojamento é de 274 euros por mês.

“Arrendar um quarto em Lisboa fica, em média, 16% mais caro do que no Porto”, revelou a plataforma.

Relativamente à tipologia do arrendamento nas três cidades, 80% dos estudantes optaram por arrendar um quarto, 19% arrendaram uma casa e 1% arrendou uma cama.

A sazonalidade da procura foi também outro dos pontos abordados no relatório, que mostra a existência de “uma maior procura por arrendamento no início dos semestres escolares”.

“Os meses com maior procura são setembro e fevereiro, sendo que, de modo geral, os estudantes fazem a reserva com um mês de antecedência. A estadia média, de quase cinco meses, corresponde ao período semestral das universidades e dos programas de intercâmbio”, referiu a Uniplaces.

Segundo a plataforma ‘online’, é expectável que a tendência de crescimento do mercado de arrendamento a estudantes em Portugal se mantenha em 2017.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
REUTERS/ Phil Noble

Empresas temem que brexit obrigue a despedimentos

Fotografia: Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Mais de 90% das famílias ganham com novas tabelas de IRS, mas pouco

Luís Manuel Moreira de Campos e Cunha, economista português, que foi Ministro das Finanças de Portugal, entrevistado da TSF.
Luís Manuel Moreira de Campos e Cunha
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Luís Campos e Cunha: “A geringonça, do ponto de vista político, acabou”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Estudantes de mais de 100 países arrendaram casa em Portugal