Poupança

Estudo. Homens querem diversão, mulheres preferem poupar

Hong Kong é o território onde a poupança mais preocupa. Nos restantes países analisados pela GfK, a vontade aproveitar a vida vem primeiro

As mulheres portuguesas preocupam-se mais com a necessidade de amealhar poupanças do que os homens. O estudo é da GfK e mostra que 40% das mulheres coloca a poupança na primeira linha das suas preocupações, mas o mesmo já não acontece com os homens: 43% diz preocupar-se mais com “aproveitar a vida”.

O estudo foi conduzido em diversos países e, no geral, um terço dos cidadãos prefere aproveitar a vida hoje e preocupar-se com poupanças no futuro.

Os maiores amantes da diversão são os jovens entre os 20 e 29 anos. Neste segmento, 41% concorda com a diversão no momento, remetendo as preocupações para o futuro. Mas, um quarto dos entrevistados entre os 50 e 59 anos e mais de 60 também concordam com a máxima do “viver hoje”.

Ainda assim, o crescimento da vontade poupar no imediato é proporcional ao aumento da idade. “Os adolescentes e os jovens dos 20-29 anos situam-se, ambos, nos 34%, enquanto a faixa dos 50-59 anos e as pessoas com 60 anos ou mais anos, registam os valores mais elevados, 43% e 42% respetivamente”, refere o estudo.

Em Portugal, nem tanto divertimento nem tanta poupança: 18% dos jovens preocupa-se com a diversão e 21% das pessoas com mais de 60 anos preocupa-se em poupar.

Poupar hoje é a preocupação da maior parte dos cidadãos de Hong Kong. Naquele território, 54% dos inquiridos rejeitam aproveitar a vida hoje, em detrimento da poupança. A República Checa vem logo atrás, com 49% a preferir a poupança. No Brasil, 45% também prefere poupar.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Estudo. Homens querem diversão, mulheres preferem poupar