Seguros

Estudo revela que seguradoras são lentas na resposta a riscos emergentes

Seguro - desvantagem 3

Estudo da Capgemini também revela que clientes estão mais bem preparados para lidar com mudanças do que as seguradoras.

Alterações climáticas, avanços tecnológicos ou mudanças sociais e demográficas são alguns dos riscos a que a população está cada vez mais sujeita. No entanto, as seguradoras não parecem estar cientes disso.

Segundo o World Insurance Report, um estudo global publicado esta quarta-feira pela consultora Capgemini e pela Efma, as seguradoras são demasiado lentas a dar resposta aos riscos emergentes.

O estudo conclui que, face aos novos riscos identificados, “a maioria das seguradoras tem sido lenta a reagir” e “consequentemente a propor ofertas adaptadas às novas necessidades dos seus clientes”.

Menos de 25% das empresas e 15% dos segurados particulares “consideram estar suficientemente cobertos pelas apólices dos seus seguros face a estas novas tendências”. E menos de 40% das seguradoras dos ramos vida e saúde criaram novos produtos com vista aos novos riscos.

Por causa desta lentidão, avança o estudo, os clientes estão mais expostos aos novos riscos. Por exemplo, “83% dos segurados particulares estão moderada ou fortemente expostos a ciberataques e correm o risco de esgotar as suas poupanças ao longo das suas vidas” e só 3% a 5% estão totalmente cobertos.

Já nas empresas, 87% estão expostas a ciberataques e menos de 18% estão totalmente seguras. São ainda 75% os que estão ameaçados por catástrofes naturais.

O estudo conseguiu captar ainda que os clientes estão hoje mais bem preparados para lidar com as mudanças do que as próprias seguradoras. “Mais de metade dos clientes (55%) afirmam estar prontos a explorar novos modelos de seguros, no entanto apenas 2% das seguradoras está a investir nesta área”, lê-se no documento da Capgemini.

O World Insurance Report conclui que as seguradoras podem resolver estes problemas se implementarem tecnologias como machine learning ou Inteligência Artificial e se estabelecerem parcerias com InsurTechs.

É ainda aconselhável que estes avanços tecnológicos sejam complementados por uma mudança no posicionamento das seguradores, que “não devem continuar a considerar-se meros pagadores, mas sim evoluir em consonância com as alterações e assumirem o papel de parceiros e de preventores, trabalhando mais estreitamente com os seus clientes para diminuírem os riscos e oferecerem serviços on-demand“.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal  Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Mário Vaz. “Havendo frequências, em julho teríamos cidades 5G”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), durante a cerimónia militar do Instituto Pupilos do Exército (IPE), inserido nas comemorações do 108.º aniversário da instituição, em Lisboa, 23 de maio de 2019.  ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: “Quem não for votar, depois não venha dizer que se arrepende”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
Estudo revela que seguradoras são lentas na resposta a riscos emergentes