Pacto de Estabilidade

Eurogrupo aperta Itália no Orçamento para 2019

Mário Centeno com Pierre Moscovici, comissário europeu da Economia. Fotografia: REUTERS/François Lenoir
Mário Centeno com Pierre Moscovici, comissário europeu da Economia. Fotografia: REUTERS/François Lenoir

Grupo liderado por Mário Centeno diz que é preciso que República Italiana reduza dívida e défices, evitando violar o Pacto e por em causa o euro.

“Concordamos com a avaliação da Comissão Europeia” ao projeto de proposta de Orçamento do Estado de Itália” e, portanto, o país precisa mesmo de se focar numa “redução suficiente da dívida e na trajetória para o objetivo Orçamental de médio prazo”, declarou ao início da noite de segunda-feira, em comunicado, o Eurogrupo, o conselho informal de ministros das Finanças da zona euro.

A entidade presidida pelo português Mário Centeno, declarou ainda que “recordamos a importância de finanças públicas sólidas e da sua coordenação no quadro do Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC) como pré-requisito para um crescimento económico duradouro e sustentável e para o bom funcionamento da União Económica e Monetária”.

Assim é preciso que a República Italiana reduza a dívida e os défices, evitando violar o Pacto. “Esperamos que a Itália e a Comissão encetem um diálogo aberto e construtivo e que o País coopere de forma próxima com a Comissão na preparação de um plano orçamental revisto, em conformidade com o PEC”, disse ainda o Eurogrupo nas conclusões da reunião que serviu para discutir a avaliação da Comissão Europeia ao caso italiano.

Horas antes, Pierre Moscovici, o comissário dos assuntos económicos, disse, citado pela Lusa, que “espero e acredito que a abordagem racional seria termos uma nova proposta orçamental em 13 de novembro”.

Centeno referiu que “dado que está a decorrer o processo de revisão desse mesmo projeto orçamental pelo Governo italiano, o que ocorrerá durante a semana que vem, que essa revisão permita trazer o orçamento o italiano em linha com aquilo que são as nossas regras orçamentais, para trazer sustentabilidade e estabilidade, quer a Itália, quer a toda a área do euro”.

Roma repudia Bruxelas

O governo italiano, populista e de extrema-direita, pretende ir contra as regras de Bruxelas, fazendo subir o défice dos 1,8% previstos em 2018 para 2,4% em 2019.

Segundo o executivo de Roma, esse défice maior dará margem para “expandir o investimento público e reduzir imposto sobre as pequenas empresas e os trabalhadores independentes, bem como para implementar um benefício fiscal sobre as empresas que invistam e façam novas contratações”.

“Além disso, dedicaremos um valor equivalente a 0,9% do PIB a uma nova política de apoio aos rendimentos e a um esquema de reformas antecipadas, aumentando assim as oportunidades de emprego para os jovens”, acrescentou recentemente Giovanni Tria, o ministro das Finanças.

Garantiu ainda que 2,4% em 2019 é uma meta alcançável e “não será excedida” já que o governo tem uma “combinação de cortes de despesas e aumentos de receita, incluindo novidades na faturação eletrónica” que vão proteger as contas italianas face a eventuais derrapagens na execução orçamental.

Itália está em guerra aberta com a Comissão Europeia, que acabou por chumbar o plano de projeto orçamental dos italianos.

O governo de Roma, pela voz do seu ministro do Interior e líder da extrema-direita (Liga), Matteo Salvini, já veio dizer que Bruxelas pode mandar as cartas e fazer os avisos que bem quiser, que a proposta de Orçamento fica como está.

Como seria de esperar, os mercados de dívida pública (retalho, secundários) estão a penalizar Itália. As taxas de juro das obrigações do tesouro italiano de longo prazo (10 anos) subiram para 3,36%, bem acima dos juros cobrados a Portugal, que estão nos 1,89%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, durante a sua audição na Comissão de Saúde, na Assembleia da República, em Lisboa, 27 de fevereiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

ADSE já enviou novas tabelas de preços aos privados para negociação

Mario Draghi, Presidente do Banco Central Europeu. REUTERS/Kai Pfaffenbach

BCE discutiu pacote de medidas para estimular economia na reunião de julho

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Outros conteúdos GMG
Eurogrupo aperta Itália no Orçamento para 2019