Eurogrupo

Eurogrupo aprova OE2017 mas reconhece risco de incumprimento

Presidente do Eurogrupo garantiu que ministros assumiram compromissos sobre novas medidas.

O ministro das Finanças afirmou hoje, em Bruxelas, que o Eurogrupo apresentou uma posição “muito construtiva” em relação ao “orçamento português”. Mas, no final da reunião, Dijsselbloem disse que houve consenso em torno da ideia de que o projeto orçamental “está em risco de incumprimento”.

“Concordámos que a Bélgica, Itália, Chipre, Lituânia, Eslovénia, Finlândia, Espanha e Portugal apresentaram projetos orçamentais que estão e risco de incumprimento”, afirmou o presidente do Eurogrupo, garantindo que os ministros assumiriam “compromissos” sobre novas medidas.

“Ouvimos em detalhe os compromissos feitos pelos colegas para implementarem medidas, para assegurarem que os orçamentos cumprirão as regras do pacto de estabilidade e crescimento”, afirmou.

Porém, o ministro Mário Centeno esclareceu “a avaliação que é feita sobre Portugal não toma em conta esta informação e isso é obviamente refletido nesta avaliação do Eurogrupo”, acrescentando ainda que os “indicadores” sobre o país “são muito positivas”.

“A linguagem muito clara que é utilizada na opinião da Comissão Europeia é replicada no Eurogrupo. Portugal tem neste momento um conjunto de indicadores económicos muito positivos que vêm em crescendo – em aceleração -, desde o início do ano”, disse o ministro, alertando que “tal como foi esclarecido pela Comissão, a avaliação que é feita sobre Portugal não toma em conta esta informação e isso é obviamente refletido nesta avaliação do Eurogrupo”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Eurogrupo aprova OE2017 mas reconhece risco de incumprimento