Economia

Eurostat confirma défice de 0,5% em 2018

Mário Centeno, ministro das Finanças . (Fotografia:  Pedro Nunes/ Reuters)
Mário Centeno, ministro das Finanças . (Fotografia: Pedro Nunes/ Reuters)

Défice ficou nos 0,5% do PIB, como divulgou no final de março passado o INE, número abaixo dos 0,6% previstos pelo Governo.

Portugal registou a terceira maior dívida pública da União Europeia (UE) em 2018, ao atingir 121,5% do produto interno bruto (PIB), divulgou hoje o gabinete de estatísticas comunitário, o Eurostat, que confirmou um défice orçamental de 0,5%.

De acordo com os dados hoje divulgados pelo Eurostat, Portugal era, no final de 2018, um dos 14 Estados-membros da UE com dívida pública superior a 60% do Produto Interno Bruto (PIB), ficando em terceiro lugar a seguir à Grécia (181,1%) e Itália (132,2%).

Neste ano, a dívida pública ascendeu, assim, a 244.906 milhões de euros, o equivalente a 121,5% do PIB.

No que toca ao défice, ficou nos 0,5% do PIB, como divulgou no final de março passado o Instituto Nacional de Estatística (INE), número abaixo dos 0,6% previstos pelo Governo.

Em 2017, Portugal tinha registado um saldo negativo de 3%.

Também confirmado pelo Eurostat foi o défice das Administrações Públicas, que atingiu cerca de 913 milhões de euros no ano passado.

Estes dados do Eurostat são baseados na primeira notificação de 2018 relativa ao Procedimento por Défices Excessivos remetida pelo INE no final de março.

O gabinete de estatísticas da UE adianta que, em 2018, tanto o défice como a dívida pública baixaram face a 2017 na UE e na zona euro.

Relativamente à UE, registou-se um défice de 0,6% do PIB no ano passado (que compara com 1% em 2017) e uma dívida pública de 80% do PIB (que em 2017 tinha sido de 81,7%).

No que toca à zona euro, o défice caiu para metade ao representar 0,5% do PIB, enquanto a dívida pública foi de 85,1% do PIB (no ano anterior tinha sido de 87,1%).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Mário Centeno 
(EPA-EFE/PATRICIA DE MELO MOREIRA)

Lentidão nos reembolsos fazem disparar IRS em plena crise

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (C), acompanhado pelo ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno e pelo presidente da CP, Nuno Freitas (E), na assinatura do contrato de serviço público entre o Estado e a CP, na Estação do Rossio, em Lisboa, 28 de novembro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

CP sem contrato com Estado só tem dinheiro até junho

avião da TAP

PS desafia TAP a corrigir plano de rotas áreas que “lesa interesse nacional”

Eurostat confirma défice de 0,5% em 2018