Excesso de petróleo pode chegar a 1,3 mil milhões de barris este semestre

Estimativa é da consultora IHS Markit, que diz ser "mais do triplo do maior excedente registado este século"

A consultora IHS Markit considerou, nesta terça-feira, que o excesso de oferta de petróleo pode chegar a 1,3 mil milhões de barris nos primeiros seis meses, mais do triplo do maior excedente registado este século.

"A última vez que houve um excedente global desta magnitude foi nunca", disse Jim Burkhard, vice-presidente e diretor do departamento do petróleo na consultora IHS Markit.

Segundo acrescentou Burkhard, citado pela agência de informação financeira Bloomberg, "antes, o último período de excedente que durou um semestre neste século resultou num excesso de oferta de 360 milhões de barris, mas o que aí vem será o dobro disso ou mais".

Numa nota enviada aos investidores, a consultora diz que este é o cenário mais provável se a guerra de preços entre a Rússia e a Arábia Saudita continuar e mantiver o preço do petróleo a rondar os 30 dólares por barril, cerca de metade do valor registado no início do ano.

A redução dos preços do petróleo é especialmente difícil para países como Nigéria, Angola ou a Guiné Equatorial, que colocaram o petróleo no preço a rondar os 55 dólares por barril, e que dependem fortemente das receitas de exportação petrolífera para equilibrar os orçamentos e financiar a despesa pública, nomeadamente de infraestruturas para o desenvolvimento económico.

A redução dos preços do petróleo está também ligada à pandemia do novo coronavírus, que fez abrandar significativamente a atividade económica e, consequentemente, a procura de combustíveis.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de