Comércio internacional

Exportações de calçado a cair 1,63% até agosto

( Pedro Granadeiro / Global Imagens )
( Pedro Granadeiro / Global Imagens )

Em quantidade, as vendas internacionais de calçado cresceram 3,24%

As exportações da indústria portuguesa de calçado caíram 6,89% em agosto, face ao período homólogo, sendo que a perda acumulada, desde o início do ano, é de 1,63% para um total de 1.360 milhões de euros. Para este resultado contribuíram as quebras de 1,57% nas vendas para a União Europeia e de 1,93% nos mercados extracomunitários.

Curiosamente, em volume as exportações até estão a crescer, com a indústria a destinar aos mercados internacionais quase mais dois milhões de pares de sapatos do que no período homólogo, num total de 61,163 milhões de pares. O que significa que cada par está a ser vendido, em média, um euro mais barato: o preço médio da indústria, nos primeiros oito meses do ano, foi de 22,2 euros por par, mostram os dados do Instituto Nacional de Estatística.

Na análise por mercados, a França, o maior comprador do calçado português, mantém a tendência de quebra dos últimos meses, com uma perda de 2,88% para 289,2 milhões de euros, a Alemanha cai 2,12% para 255,5 milhões e a Holanda recua 0,6% para 202,7 milhões de euros. A Espanha está praticamente estável nos 115,4 milhões de euros (-0,07%) e o Reino Unido é o único do top 5 a crescer: sobe 1,25% num total de 80 milhões de euros. Segue-se Dinamarca, Estados Unidos, Itália, Bélgica e Suécia, tudo mercados em queda.

Já as importações estão a crescer 15,9% em quantidade e 2,39% em valor, para um total de 47,3 milhões de pares no valor de 435,3 milhões de euros. Espanha, China, Bélgica, França e Itália são os principais fornecedores das importações nacionais de calçado, embora, no caso espanhol, os valores estejam em queda face ao mesmo período do ano passado (-13,1% em volume e 11,6% em valor). Em contrapartida, as importações da China quase duplicaram em quantidade (17,866 milhões de pares) e cresceram 44,7% em valor (56,6 milhões de euros).

O saldo da balança comercial é positivo em 925 milhões de euros.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O sismo da Terceira de 1980
(Arquivo DN)

Risco de sismo é real. Seguradores querem fundo prioritário no próximo governo

O sismo da Terceira de 1980
(Arquivo DN)

Risco de sismo é real. Seguradores querem fundo prioritário no próximo governo

João Galamba, Secretário de Estado da Energia 
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

João Galamba: “Há diferença entre encontrar rendas excessivas e cortá-las”

Outros conteúdos GMG
Exportações de calçado a cair 1,63% até agosto