Impostos

Se errar a preencher o IRS é isto que lhe acontece

irs

São cada vez mais raras as falhas e erros de rendimentos e despesas relevantes para o IRS. Mas podem acontecer e ser necessária uma nova declaração.

O volume de informação que ao longo de cada ano vai chegando à Autoridade Tributária e Aduaneira faz com que as falhas ou erros relativamente ao rendimento, descontos, retenções na fonte e despesas de cada contribuinte sejam cada vez em menor número. Mas podem acontecer e implicar uma correção da declaração do imposto. O custo associado a uma declaração de substituição depende do tempo que se demora a fazê-la.

Na declaração automática do IRS (que este ano foi alargada aos contribuintes com dependentes) é quase impossível que a informação relativa aos rendimentos e respetivos descontos esteja errada. Mas com as despesas este cenário é mais provável. Perante uma situação destas, os contribuintes devem optar pela entrega do IRS nos termos normais – mecanismo que ‘anula’ a versão automática. E mesmo no IRS entregue pelas vias normais é possível afastar os valores pré-preenchidos pelo fisco e colocá-los manualmente.

Se tudo isto for feito no prazo da entrega do IRS – que começou a 1 de abril e se prolonga até 31 de maio – a declaração de substituição pode ser feita sem qualquer custo (leia-se pagamento de coima). Esta possibilidade é igualmente válida caso a falha tenha a ver com a não declaração do rendimento obtido através de um ato isolado ou de mais-valias resultantes da venda de um imóvel por exemplo.

Mas se a declaração de substituição for feita já depois de esgotado aquele prazo, há lugar ao pagamento de uma coima de valor reduzido, de 25 euros, se a entrega for feita até 30 dias depois. Passado este período, a multa pode ser de 37,5 euros se o contribuinte tomar a iniciativa de eliminar os erros. Se a correção ocorrer já na sequência de um processo de execução iniciado pela AT, a coima sobe para 112,5 euros.

Os custos dependem, assim, do tempo que o contribuinte demora a corrigi-los mas também do tipo de situação que originou a declaração de substituição. Ou seja, no momento da validação central da declaração podem ser detetados erros. Se forem corrigidos até 30 dias após o fim do prazo, não há penalizações, mas se a sua correção implicar alterações no valor do reembolso ou do imposto a pagar, haverá lugar ao pagamento de multas.

Para quem está abrangido pelo IRS automático e tomar a iniciativa de aceder ao Portal das Finanças para o ‘aceitar’ e ‘submeter’, fica abrangido pela mesma tipologia de prazos e de coimas aplicável a quem faz o IRS pela via habitual.

No entanto, os contribuintes do IRS automático que deixem a declaração correr sozinha e que seja o sistema a valida-la e a transforma-la em definitiva no final do prazo (31 de maio), dispõem, como precisa a advogada Rafaela Faria (do escritório Nuno Cerejeira Namora, Pedro Marinho Falcão & Associados), de 30 dias para se pronunciarem, sem incorrerem no pagamento de qualquer coima.

“No caso de o contribuinte não estar dispensado da entrega da declaração de IRS, no final do prazo de entrega da declaração (31 de maio) a declaração provisória considera-se entregue para todos os efeitos legais e a liquidação provisória converte-se em definitiva”, precisa a jurista, para salientar que “se verificar que os elementos não estão corretos, poderá ainda entregar uma declaração de substituição nos 30 dias seguintes à liquidação, sem que lhe seja aplicada qualquer penalidade”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mercados

FMI. Dívida de alto risco faz soar os alarmes

Ministro das Finanças de Angola, Archer Mangueira. Fotografia: Direitos Reservados

Archer Mangueira garante solução para dívida a empresas até final do ano

António Costa, primeiro-ministro, e Mário Centeno, ministro das Finanças, num debate parlamentar sobre o OE2019. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Outras touradas do Orçamento: as medidas mais arriscadas

Outros conteúdos GMG
Se errar a preencher o IRS é isto que lhe acontece