Banco de Portugal

Falta de moedas de cinco e dez cêntimos aumentam encomendas do Banco de Portugal

Fotografia:AP/Claudia Gazzini
Fotografia:AP/Claudia Gazzini

Existência de mais ou menos máquinas de pagamentos com moedas e preços de transportes públicos justificam escassez destas moedas.

A falta de moedas de cinco e de dez cêntimos levou o Banco de Portugal em 2017 a antecipar as compras de moeda previstas para 2018. Esta situação levou a INCM – Imprensa Nacional Casa da Moeda a produzir 231 milhões de moedas correntes em 2017, o número mais elevado desde 2002, segundo o relatório e contas desta entidade.

A “existência de mais ou menos máquinas que aceitem pagamentos com moedas” e “os preços dos transportes públicos, das portagens e do tabaco” levaram ao aumento da procura por estas moedas, explica fonte do Banco de Portugal na edição desta segunda-feira do Correio da Manhã.

O mesmo relatório lembra a troca de 270 milhões de moedas com o Banco Central da Irlanda: enquanto Portugal recebeu moedas de um e de dois cêntimos, Dublin ficou com moedas de dois euros. Segundo o supervisor bancário, o aumento dos turistas em Portugal levou a um excedente da moeda de euro mais valiosa, que não é produzida em território nacional desde 2006.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Teodora Cardoso. TIAGO PETINGA/LUSA

Teodora Cardoso alerta para controlo da despesa na saúde

No segundo trimestre deste ano, o aeroporto de Lisboa movimentou 7,7 milhões de passageiros.

Aeroporto de Lisboa recebe mais de 7 milhões de turistas no segundo trimestre

DriveNow é uma das duas empresas com partilha de carros sem estacionamento fixo dentro de Lisboa.

Lisboa vai ter lugares só para carsharing. Saiba onde poderá estacionar

Outros conteúdos GMG
Falta de moedas de cinco e dez cêntimos aumentam encomendas do Banco de Portugal