Banco de Portugal

Falta de moedas de cinco e dez cêntimos aumentam encomendas do Banco de Portugal

Fotografia:AP/Claudia Gazzini
Fotografia:AP/Claudia Gazzini

Existência de mais ou menos máquinas de pagamentos com moedas e preços de transportes públicos justificam escassez destas moedas.

A falta de moedas de cinco e de dez cêntimos levou o Banco de Portugal em 2017 a antecipar as compras de moeda previstas para 2018. Esta situação levou a INCM – Imprensa Nacional Casa da Moeda a produzir 231 milhões de moedas correntes em 2017, o número mais elevado desde 2002, segundo o relatório e contas desta entidade.

A “existência de mais ou menos máquinas que aceitem pagamentos com moedas” e “os preços dos transportes públicos, das portagens e do tabaco” levaram ao aumento da procura por estas moedas, explica fonte do Banco de Portugal na edição desta segunda-feira do Correio da Manhã.

O mesmo relatório lembra a troca de 270 milhões de moedas com o Banco Central da Irlanda: enquanto Portugal recebeu moedas de um e de dois cêntimos, Dublin ficou com moedas de dois euros. Segundo o supervisor bancário, o aumento dos turistas em Portugal levou a um excedente da moeda de euro mais valiosa, que não é produzida em território nacional desde 2006.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
lisboa

Balcão dos despejos recebeu 294 pedidos por mês. São menos 44 do que em 2017

www.dinheirovivo.ptcombustiveis-7-1-1bb026ceb7a816266a2de2967749df8fd8ec068c-34e8f5d94c782fb8aeedef4aac66cd8f0db5ac96

Combustíveis descem há seis semanas, mas estão mais caros do que em janeiro

Tomás Correia, preside a Associação Mutualista Montepio, dona do Caixa Económica

Montepio: Líder da mutualista diz que processos não impedem nova liderança

Outros conteúdos GMG
Falta de moedas de cinco e dez cêntimos aumentam encomendas do Banco de Portugal