Recursos Humanos

Falta de trabalhadores qualificados pode ser “travão” à economia

Santa Maria da Feira, 26/06/2019 - Conferência 65 anos CCILA – “Empregos qualificados exigem qualificações adequadas: Estamos preparados?”, no Europarque.
Carlos Maia
(Tony Dias/Global Imagens)
Santa Maria da Feira, 26/06/2019 - Conferência 65 anos CCILA – “Empregos qualificados exigem qualificações adequadas: Estamos preparados?”, no Europarque. Carlos Maia (Tony Dias/Global Imagens)

Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã assinala 65 anos com debate sobre emprego, em Santa Maria da Feira.

Mais de metade das empresas (53%) sente falta de profissionais qualificados e 49% consideram que existe desadequação entre a oferta de profissionais e as vagas disponíveis. As conclusões são do estudo “Guia do Mercado Laboral 2019”, apresentado, esta quarta-feira, por Carlos Maia, da HAYS Portugal, durante a conferência “Empregos qualificados exigem qualificações adequadas: estamos preparados?”.

O evento, promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã (CCLIA), no âmbito da celebração dos seus 65 anos, decorre no Europarque, em Santa Maria da Feira. Miguel Leichsenring, o presidente da CCLIA, considerou mesmo, na abertura dos trabalhos, que a escassez de recursos humanos com qualificações adequadas às empresas pode ser um “travão ao crescimento económico”, daí a pertinência do debate.

No estudo da HAYS participaram cerca de 600 empregadores e 3000 profissionais. Os dados mostram que o ano passado foi positivo para as empresas. Apenas 13% ficaram abaixo das expectativas em termos de resultados e as restantes em linha (66%) ou até acima (21%) das expectativas.

As principais dificuldades de gestão de recursos humanos são a atração de talento (48%) e a sua retenção (45%). Os perfis mais difíceis de recrutar, mantendo a tendência dos últimos dois anos, são os perfis comerciais (37%, com maior impacto no sul do país), seguido das tecnologias da informação (27%, mas com mais relevância no norte) e dos quadros de engenharia (21%, mas com maior dificuldades na região centro).

Cerca de 82% das empresas pretendem reforçar os seus quadros e estruturas, valores similares ao ano passado. Para 2019, os perfis comerciais mais procurados são os comerciais (31%), tecnologias de informação (30%), engenheiros (26%), administrativos (16%) e marketing e comunicação (15%).

Segundo o estudo, 70% dos profissionais mostram disponibilidade para mudar de emprego. O principal fator apontado é o valor salarial (62%) e as perspetivas de progressão na carreira (58%).

Preparar talentos para as empresas

José Manuel Mendonça, presidente do INESC TEC e professor da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, desvendou, na palestra “Formação avançada em engenharia através de projetos de inovação e transferência de tecnologia nas empresas”, parte do segredo que faz daquele organismo, uma “incubadora de talento e de carreiras de sucesso”. Passa por juntar, ao corpo docente, investigadores, bolseiros e manter uma boa relação com as empresas, lançando depois, para as empresas e sociedade, conhecimento, tecnologia e profissionais qualificados. Tudo isso com “impacto económico e social”, diz.

Silke Griemert, da Universidade de Koblenz, na Alemanha, frisou, no debate que se gerou em seguida, a premência de se fazer o “encontro” entre as necessidades das empresas e as competências e conhecimento das universidades. No ensino dual naquele país, explicou depois Reiner Valier, representante do Ministério Federal da Educação e Investigação na Alemanha, “são as empresas que enviam os funcionários para formação”, sendo que 70% do ensino é dentro das companhias e 30% nas escolas.

Em todo o mundo, as universidades enfrentam desafios. São desafios que passam, primeiro, por “uma ligação maior à tecnologia” e, numa segunda fase, por “ensinar outras competências mais humanas”, quando o tal saber tecnológico se tornar uma coisa “normal”, desvendou Daniel Traça, diretor em Portugal da Nova School of Business and Economics. O desafio é para todas a áreas, desde advogados a gestores, que vão ter de trazer a tecnologia para o cerne da sua formação. Esta mudança, salientou, ainda, está a acontecer a uma grande velocidade.

Em Portugal, os politécnicos, avançou o vice-presidente do Instituto Politécnico do Porto, Rui Ferreira, têm feito um caminho no reforço da qualidade e de aproximação às empresas. “A ligação ao tecido empresarial é feita desde muito cedo e há uma forte componente em contexto de trabalho”, garante.

Mas ainda há caminho a fazer entre a ligação dos centros de saber e as empresas. Diogo Pimenta, ex-presidente da Associação de Estudantes da FEUP, contou ter relatos de colegas que revelam alguma “desadequação” entre o que aprendem nas academias e o que é solicitado pelas empresas, quando chegam ao mercado de trabalho. E sublinhou como os salários no estrangeiro podem ser bem mais “aliciantes” do que em Portugal.

A capacidade de “reter” o talento que se forma, explicou em seguida Daniel Traça, prende-se em boa parte com a “competitividade da economia portuguesa”, o que inclui o “pagar salários” também competitivos. Mas as experiências no estrangeiro são boas, assegurou. “Quem não sair vai pagar um custo que tem a ver com as competências que não adquire porque não tem a internacionalização, que é tão importante como a tecnologia”, disse Daniel Traça.

Na tarefa de adequar os recursos às necessidades do mercado, ninguém deve ficar de fora, lembra Paulo Feliciano, vice presidente do Instituto de Emprego e Formação Profissional. O responsável refere que, nesse sentido, estão em curso vários programas que visam dar competências digitais e pessoas com baixa escolaridade e outros para requalificar pessoas com ensino superior que não encontraram lugar no mercado atual.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Euronext Lisboa. Fotografia: Global Imagens

Menos de metade das cotadas entregaram planos para igualdade

Euronext Lisboa. Fotografia: Global Imagens

Menos de metade das cotadas entregaram planos para igualdade

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Falta de trabalhadores qualificados pode ser “travão” à economia