Consumo

Famílias gastaram 1.915 milhões em compras para o lar no 1º trimestre

Supermercados melhoraram atividade

Dados da Nielsen mostram que o consumo subiu 4,1%. Comércio tradicional sobe 5,9%, mas tem quota de apenas 8,2%

O consumo das famílias continua a crescer. Nos primeiros três meses do ano foram gastos quase 1.915 milhões de euros em compras para o lar, um valor 4,1% face a igual período de 2017, mostram os dados da Nielsen. A Páscoa, que se comemorou no último fim de semana de março, terá tido a sua influência na febre consumista. São sobretudo os grandes supermercados de cidade e o comércio tradicional os mais beneficiados, com crescimentos de 7,6 e de 5,9%, respetivamente. Os hipers perdem terreno.

“Já há algum tempo que vamos percebendo que o comércio tradicional está a consolidar o seu crescimento, independentemente dos altos e baixos das datas mais especiais como o Natal ou a Páscoa”, diz o diretor-geral da Centromarca. Pedro Pimentel reconhece que grande parte destes novos espaços não se enquadram na verdadeira aceção do termo tradicional, já que se trata das lojas de proximidade das grandes cadeias de distribuição. Mas, também, por este “investimento crescente” se percebe a importância que o “consumidor cada vez dá mais a poder fazer compras numa esfera de proximidade, poupando tempo”. Casos dos espaços My Auchan, Meu Super, no caso do Continente, ou Minipreço Expresso, do grupo Dia.

Apesar de estar em crescimento, a quota de mercado do canal tradicional no total do consumo não chegou, ainda, aos dois dígitos: vale 8,2%. Os hipers estão com 25,7%, os grandes supermercados asseguram 32,6% e os pequenos supers, incluindo o Lidl, têm a quota maior: 33,5%.
Em termos de categorias de produtos, e a provar o efeito da Páscoa ‘precoce’ nos gastos das famílias, as bebidas são dos artigos cujas vendas mais crescem, comparativamente com o ano anterior, com um acréscimo de 6% nas bebidas alcoólicas e de 5% nas não alcoólicas. Também nos produtos de mercearia as vendas aumentaram 5%.

Bebidas em alta
É a categoria dos congelados que tem as vendas com maior crescimento no primeiro trimestre do ano: 8%. Os laticínios crescem 3%, os artigos de higiene pessoal crescem 1% e na higiene para o lado mantêm-se estáveis. Performances que têm mais a ver com os ciclos promocional no retalho do que propriamente com os hábitos de consumo das famílias. Estes são produtos em que o consumidor tem mais facilidade em ‘stockar’ grandes quantidades de modo a aproveitar os descontos, na medida em que não se trata de artigos perecíveis.

Também a estratificação das vendas em função do tipo de marcas merece destaque por parte do diretor-geral da Centromarca, já que as marcas de fabricantes crescem 4,6% no trimestre, acima do valor do mercado. O que se traduz numa perda, de duas décimas, da quota de mercado das marcas brancas, que é agora de 34,2%. “A entrada da Mercadona no mercado nacional vai criar uma nova lógica na marca branca e assiste-se já a um enorme esforço de todas as cadeias de distribuição de promoção das suas marcas. O que estes números vêm mostrar é que, apesar disso, e de forma algo surpreendendo, as marcas de fabricantes estão a aguentar-se bem”, diz.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

Motoristas de matérias perigosas em greve concentrados na Companhia Logística de Combustiveis - CLC.
Fotografia: Paulo Spranger / Global Imagens

Combustíveis. Sindicato conseguiu mais 200 sócios com greve

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Famílias gastaram 1.915 milhões em compras para o lar no 1º trimestre