fatura da sorte

Fatura da sorte: em vez do Audi, fisco vai oferecer certificados

Fatura da sorte tem primeira edição extra

O governo aprovou hoje o novo prémio do concurso "Fatura da sorte": em vez de carros, o fisco vai oferecer certificados a quem pede fatura.

Os certificados do tesouro poupança mais (CTPM) vão passar a ser o prémio a atribuir aos contribuintes que pedem fatura com NIF e entram no concurso “Fatura da sorte”.

A mudança apenas vai acontecer a partir de abril, mês em que termina a atual série anual do concurso, em que são oferecidos Audi A4. “Reconhecendo-se o contributo do mecanismo do sorteio para uma maior cumprimento dos deveres de emissão de fatura, foi contudo entendido que a natureza do prémio até agora utilizado – um veículo automóvel – não era a mais adequada”, refere o comunicado do Conselho de Ministros.

A mudança para os títulos de dívida pública destinados à poupança dos particulares simplifica os procedimentos do concurso e, diz o governo, têm ainda a vantagem de estimular o aforro das famílias. Esta solução, permite ainda, manter a promoção da “cidadania fiscal no combate à economia informal”.

O Dinheiro Vivo já tinha antecipado que o atual governo pretendia manter o concurso “Fatura da sorte”, mas que estava a equacionar se o prémio (um carro de gama elevada) seria o mais adequado.

O “Fatura da sorte” foi lançado em 2014, premiando os contribuintes que pedem fatura com NIF com um carro que é sorteado todas as semanas. Duas vezes por ano (em junho e dezembro) há lugar a um sorteio extraordinário em que, de uma vez, são entregues três carros da gama Audi A6 – já que esta marca foi a que ganhou os dois concursos que visaram selecionar o fornecedor do prémio.

 

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Fatura da sorte: em vez do Audi, fisco vai oferecer certificados