Economia

Fed deixa taxas de juro inalteradas e prevê recessão menos severa em 2020

fed Jerome H. Powell
Chairman da Reserva Federal dos EUA, Jerome H. Powell (AFP)

A Reserva Federal (Fed) norte-americana deixou hoje as suas taxas de juro inalteradas e assinalou que “a atividade económica recuperou nos últimos meses”, mas continua “muito abaixo” dos níveis registados no início do ano, antes da pandemia.

“A atividade económica e o emprego recuperaram nos últimos meses, mas mantêm-se muito abaixo dos níveis do início do ano. A procura mais débil e os preços do petróleo significativamente mais baixos estão a travar a inflação”, referiu o comité de política monetária do banco central norte-americano no comunicado que divulgou no final da sua reunião de dois dias.

Nas previsões macroeconómicas que divulgou, a Fed antecipou uma recessão mais moderada e uma taxa de desemprego mais baixa do que indicara anteriormente, mas a recuperação em 2021 e 2022 também deve ser menos acentuada.

Em 2020, a contração do Produto Interno Bruto (PIB) deve ser de 3,7%, quando em junho a previsão apontava para 6,5%, antes de uma recuperação de 4% em 2021 (5% em junho).

A taxa de desemprego, que em fevereiro estava em 3,5%, no nível mais baixo em 50 anos, deve ficar este ano em 7,6%, abaixo dos 9,3% previstos em junho.

O banco central norte-americano deixou as suas taxas de juro inalteradas, entre 0% e 0,25%, como já era esperado, mas a decisão não foi adotada por unanimidade, tendo registado dois votos contra.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Restaurante de praia 
 Maré at Pine Cliffs 
(Maria João Gala /Global Imagens)

Pandemia faz disparar desemprego, mas verão alivia alguns setores

(JOSÉ COELHO/LUSA)

Cadeias de retalho contra desfasamento de horários. Aguardam publicação da lei

Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu. (FREDERICK FLORIN / AFP)

Lagarde: BCE continua a ter opções para apoiar a economia se for necessário

Fed deixa taxas de juro inalteradas e prevê recessão menos severa em 2020