Férias, ministros e Portugal. Como descansam os homens que lideram o país

Este ano o destino de Passos é o mesmo
Este ano o destino de Passos é o mesmo

Os ministros de Passos Coelho já se habituaram a viajar em económica e agora terão de se habituar a férias baratinhas. Para este ano, Pedro Passos Coelho pediu aos ministros que fizessem férias em Portugal. Passos quer que os líderes utilizem o bom senso e não façam gastos desnecessários, porque a economia não está para extravagâncias.

Quando José Sócrates ainda era primeiro-ministro, o Presidente da República já tinha feito um pedido idêntico. Em 2010, Cavaco também apelava a férias pacatas ao longo da costa portuguesa. Contas feitas, o Algarve tem sido o destino onde quase todos se juntam para ir a banhos, o estrangeiro ficou para trás há algum tempo.

Para Passos Coelho, o Algarve continua a ser destino de eleição. No ano passado, não houve tempo para férias, mas Passos arranjou um espacinho na agenda para se deslocar até ao sul. Normalmente o primeiro-ministro arrenda uma casa em Manta Rota, este ano a tradição repete-se. As férias algarvias do primeiro-ministro começaram esta semana e terão a duração de 15 dias.

À frente do executivo ficou Vítor Gaspar, o primeiro a gozar de descanso, ou não tenha de receber os inspectores da troika já este mês. Com o Governo às costas, o ministro das Finanças pode, todavia, contar com o primeiro-ministro que este ano terá o telemóvel disponível para quando for necessário – em 2010, um amigo de Passos dizia à NTV que o telefone do então líder do PSD raramente estava ligado nas férias. Este ano será diferente.

Paulo Portas também já está de malas na mão. No site do partido, o ministro dos negócios estrangeiros fez questão de sublinhar que vai para os Açores, mais precisamente São Miguel nas duas primeiras semanas do mês de agosto – em outubro celebram-se eleições regionais e a deslocação até às ilhas pode aliar alguma preparação pré-eleitoral ao descanso de 15 dias.

E já não é a primeira vez que Paulo Portas alia trabalho e descanso. Em 1997, numas férias em vilamoura, Portas utilizou o descanso para jogar umas cartadas com Pedro Mota Soares, actual ministro da solidariedade, nos jantares juntava-se a Luís Queiró ou António Lobo Xavier, e falava de política. Seis meses depois Portas ganhava a liderança do CDS/PP.

Cavaco Silva também se fica pelo Algarve. A praia da Coelha, em Albufeira, é o destino do Presidente da República, onde despacha as leis que lhe vão chegando do parlamento, como gosta de revelar. O Algarve tem sido tradição para o Presidente, que não troca as férias familiares, com a mulher, Maria Cavaco Silva, os filhos, e os netos.

Quando o Governo de José Sócrates ainda estava à frente do país, foi precisamente Cavaco Silva a pedir algum controlo para os dias de férias.

O então primeiro-ministro José Sócrates também optou, em Agosto de 2010 por se descolar até terras algarvias. Ficou separado de Passos Coelho por apenas 80 quilómetros. Passos ficara na usual casa de Manta Rota, Sócrates num conhecido resort

de luxo na frenética Albufeira. O telemóvel de Sócrates também permanecia ligado, mas o chefe de Governo preferia a piscina à praia. Com José Sócrates também iam de férias os seguranças privados, mas o líder preferia ser tratado como qualquer outro hóspede. No ano anterior, em 2009, o primeiro-ministro ficara num hotel de luxo em Menorca. A diária ficava perto dos 990 euros por dia.

José Sócrates sempre fez questão de manter os destinos de férias longe da Comunicação Social. Em 2005, o secretismo rompeu-se quando a imprensa descobriu que o primeiro-ministro descansava num safari no Quénia enquanto Portugal era arrasado por dezenas de fogos florestais.

Exactamente por causa dos incêndios, as férias do actual ministro da administração interna serão adiadas até setembro, contrariamente aos restantes colegas que, se já não iniciaram, estarão a guardar para agosto os dias de descanso.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(DR)

Crédito ao consumo dispara 15% em outubro

(Paulo Spranger/Global Imagem)

Indemnizações pagas pelo Fundo de Garantia Salarial não escapam ao IRS

CP tem de entregar contrato de serviço público com o Estado até 31 de dezembro. (Leonardo Negrão / Global Imagens)

CP: Adiamento de manutenção de comboios regionais vale demissão

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Férias, ministros e Portugal. Como descansam os homens que lideram o país