Energia

Ferrari Careto. 80% da manutenção vai ser feita quando os dados pedirem

José Ferrari Careto, diretor da Digital Global Unit da EDP
(Orlando Almeida / Global Imagens)


(Orlando Almeida / Global Imagens)
José Ferrari Careto, diretor da Digital Global Unit da EDP (Orlando Almeida / Global Imagens) (Orlando Almeida / Global Imagens)

Elétrica investe forte nas infraestruturas de base que permitam desenvolver os novos negócios digitais.

O que levou a EDP a investir 800 milhões na digitalização?
São 800 milhões num horizonte de quatro anos, ou seja, 200 milhões por ano. É um número significativo porque há de facto essa necessidade.

E serão gastos em quê?
Para desenvolvermos iniciativas digitais é necessário criar primeiro as fundações: a infraestrutura que passa por sensorização, migrações para a cloud, plataformas de processamento e armazenamento de dados. Grande parte desses 800 milhões de euros será investida em infraestruturas, que vão além destes quatro anos. As iniciativas digitais assentam nestas infraestruturas em três vertentes: clientes, ativos e operações. Aos clientes queremos dar mais informação para terem escolhas mais inteligentes.

Nos ativos e operações, a aposta é na manutenção preditiva, 80% até 2022. Ou seja, as empresas têm cada vez mais ativos digitais que produzem dados. Através da sensorização consigo saber o que uma turbina está a fazer, o que produz e como se está a sentir. Podemos também ser mais eficientes na gestão. Com o projeto Hydrocast, a EDP desenvolveu um modelo analítico que prevê o caudal natural das albufeiras de Foz Tua e Baixo Sabor, o que permite reduzir as descargas e melhorar a tomada de decisão da área de trading de energia.

Quais são os projetos mais futuristas que nasceram na fábrica?
Temos 30 parceiros nacionais e internacionais, startups e não só. Um deles apresentou-nos os óculos de realidade aumentada Wearables, com tecnologia HoloLens. Mas isto não é inovação por inovação. Estamos à procura de coisas que aconteçam agora e criem valor no curto prazo. A digitalização da EDP olha para todas as geografias: Portugal, Espanha, Brasil, EUA. Os drones são muito usados no Brasil e em Portugal na inspeção de linhas de distribuição. Elimina-se o risco humano e aumenta-se a extensão da linha observada.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (D), e o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares (E), participam na conferência de imprensa no final de uma reunião, em Loures. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Costa: “Há países que foram colocados em listas vermelhas por retaliação”

João Rendeiro, ex-gestor do BPP

João Rendeiro, ex-presidente do BPP, condenado a pena de prisão

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. (ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA)

Marcelo diz que revisão do défice “traduz bem a crise brutal”

Ferrari Careto. 80% da manutenção vai ser feita quando os dados pedirem