Telecomumicações

Fibra ótica é principal forma de subscrever serviço de televisão

Televisão

O aumento das ofertas de fibra ótica deu origem a mais 286 mil assinantes de televisão paga no primeiro semestre do ano.

Depois de alcançar os 1,47 milhões de assinantes (38,2% do total) no primeiro trimestre, a fibra ótica passou a ser a principal forma de acesso ao serviço de distribuição de sinais de televisão por subscrição. Segue-se o cabo com 1,34 milhões de assinantes, o satélite com apenas 13,6% dos clientes e, por fim, o ADSL com 13,4%, revela a Anacom esta quinta-feira.

O aumento das ofertas de fibra ótica deu origem a mais 286 mil assinantes, face ao mesmo período do ano passado. No final de junho existiam cerca de 3,9 milhões de clientes do serviço de televisão paga.

“O Grupo NOS detinha a quota de assinantes mais elevada (41,9%), seguindo-se a MEO, a Vodafone e a NOWO com quotas de 38,9%, 14,7% e 4,4%, respetivamente. A MEO foi o prestador que, em termos líquidos, mais assinantes captou no primeiro semestre de 2018, em comparação com o mesmo semestre do ano anterior”, pode ler-se em comunicado.

Segundo o Barómetro de Telecomunicações da Marktest (BTM), no período em análise cerca de 15,4% das casas portuguesas com serviço de televisão paga tinham acesso a canais premium, um aumento residual de 0,4% face ao período homólogo.

As gravações automáticas foram o serviço mais utilizado, seguindo-se os canais de alta definição, o guia de programação e as gravações manuais. O barómetro observa ainda que aumentou o número de subscrições de serviços de vídeo streaming on demand, como Netflix, Fox Play, NPlay ou Amazon Prime Video).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
boris johnson brexit

Brexit: Um acordo que responde “às circunstâncias únicas da Irlanda”

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Outros conteúdos GMG
Fibra ótica é principal forma de subscrever serviço de televisão