Investimento

Firma na rota do mining. Lítio pode dar 5 mil milhões à economia 

Bernardo Theotónio Pereira e Bernardo Pires de Lima, sócios da FIRMA.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)
Bernardo Theotónio Pereira e Bernardo Pires de Lima, sócios da FIRMA. (Leonardo Negrão / Global Imagens)

Há cada vez mais players internacionais com interesse em investir num negócio com potencial para criar 2500 empregos.

Smartphones e carros elétricos. Andam na boca de toda a gente, mas trazemo-los aqui porque as baterias que os movem têm o lítio como ingrediente essencial. E Portugal é uma potência do metal a que, pelas suas capacidades energéticas, já há quem chame petróleo branco. Com um primeiro estudo a antecipar 12 locais de elevado potencial de lítio no país – três dos quais descartados por se encontrarem em áreas ambientalmente sensíveis -, o interesse dos investidores tem-se multiplicado. Como atesta a Firma de Bernardo Pires de Lima e Bernardo Theotónio-Pereira que, motivada por abordagens recentes de investidores estrangeiros, decidiu incluir o mining (ouro, cobre, carbonato de lítio, tungsténio e estanho) no seu plano estratégico, ao lado de setores em que desde 2016 assenta a sua atuação, incluindo energia, infraestruturas e setor financeiro.

“Estamos atentos aos sinais do mercado para antecipar grandes tendências da economia e temos sido contactados por investidores e players internacionais interessados no mining”, confirma Theotónio-Pereira. O managing-partner da Firma justifica assim a importância de conhecer o setor de forma integrada, apontando um potencial de investimento em Portugal superior a 600 milhões a cinco anos, entre prospeção e exploração. “Isto representa um retorno de 5 mil milhões para a economia e a criação de mais de 2500 postos de trabalho em distritos como Viana do Castelo, Braga, Vila Real, Bragança, Guarda e Viseu.”

Para mapear o potencial estratégico do nosso setor mineiro, integrando-o num plano global de infraestrutura, preservação da natureza, criação de empregos sustentáveis, coesão territorial e defesa dos interesses das populações, a Firma encomendou a Mário Guedes (engenheiro de minas, antigo diretor-geral de energia e geologia e membro do Firma Foresight Board) um estudo detalhado e integrado, cujas conclusões serão conhecidas em outubro, num evento público com representantes do setor. Para Mário Guedes, apostar nas minas pode “reposicionar o país como maior produtor de tungsténio e lítio da Europa, segundo em ouro e estanho, numa lógica de desenvolvimento industrial com enorme valor acrescentado em novos setores”.

Com a transformação que está a acontecer na indústria automóvel – do motor de combustão ao elétrico – e a maior necessidade de materiais como cobre e carbonato de lítio, Portugal surge assim como polo de investimento e de desenvolvimento industrial. “Precisamos de apostar nos nossos recursos, no valor que temos – um estudo de 2010 do Laboratório Nacional de Energia e Geologia aponta um potencial superior a 130 mil milhões”, diz Theotónio-Pereira. “A oportunidade é clara. Temos de apostar em captar investimento direto estrangeiro de qualidade e envolver os principais players mundiais do setor automóvel na criação de unidades de fabrico de baterias em Portugal. E a Firma está focada em apoiar a mudança.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Firma na rota do mining. Lítio pode dar 5 mil milhões à economia