OE2017

Fitch. Rating de Portugal depende demasiado da banca

Foto: DR
Foto: DR

"Qualquer solução que se encontre nos bancos terá um impacto nas contas públicas", considera o economista da Fitch que segue Portugal.

A qualidade do crédito concedido a Portugal depende demasiado da saúde dos bancos que operam no país, disse Federico Barriga Salazar, o economista da Fitch que segue a República Portuguesa. O rumo da dívida e a intensidade das reformas estruturais também são decisivas.

“Qualquer solução que se encontre nos bancos terá um impacto nas contas públicas”, nesse sentido “o sector financeiro é chave para o rating”. Além disso, “estamos a ver se há mudanças estruturais na economia, no sector público, nas empresas”, acrescentou o mesmo perito, em Lisboa, esta quinta-feira.

Esta agência de rating é uma das três que ainda classifica a dívida portuguesa como um investimento especulativo, ou seja, “lixo”, e na sexta-feira da próxima semana tem agendada uma atualização da nota da dívida.

Numa conferência Credit Outlook 2017, que decorre esta quinta-feira num hotel de luxo em Lisboa, o analista fez um retrato algo preocupado de Portugal, sobretudo em relação à dimensão financeira e bancária da economia, antecipando-se assim poucas mudanças na nota atribuída a Portugal.

“O rating soberano de Portugal é BB+, com perspetiva estável, é constrangido pela dívida elevada e o crescimento fraco”, disse a Fitch no final de outubro, na avaliação ao Orçamento do Estado para 2017.

Salazar clarificou primeiro que está um pouco mais inquieto com os bancos e com os danos que estes podem provocar na economia e nas contas públicas. “A ligação entre bancos e governo é muito importante e qualquer solução que se encontre nos bancos terá um impacto nas contas públicas. Estamos muito atentos a isso”, alertou o economista espanhol em resposta a uma pergunta da audiência.

Antes, tinha deixado claro que “em Portugal, os desenvolvimentos no sector financeiro tornaram-se chave para o rating, mas não me vou alongar muito porque para a semana temos agendada uma revisão do rating”, referiu.

Além disso, continuou Federico Salazar, para fazerem a análise do país e definir o rating “estamos a ver se há mudanças estruturais na economia, no sector público, nas empresas”.

Constatou então que “Portugal continua a ser um dos países mais endividados do mundo quando olhamos para a dívida externa” e também “acompanhamos as tendências orçamentais e de dívida” e as “reformas estruturais”, que também são essenciais para o nível do rating.

Em outubro, na tal opinião sobre o novo OE, a agência disse que o plano orçamental apresentado “é coerente com a nova visão de que as autoridades portuguesas continuarão a reduzir o défice orçamental, apesar da retórica anti-austeridade do governo e de algumas medidas mais populares como o aumento dos salários do sector público e a subida das pensões”.

Mas reconheceu também que a proposta de OE “prolonga o histórico do governo minoritário socialista numa política orçamental prudente” e que “o risco de embates políticos entre os socialistas e os mais radicais PCP e BE parecem ter diminuído de forma significativa, assegurando mais uma política de estabilidade”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

Fitch. Rating de Portugal depende demasiado da banca