FMI

FMI considera Portugal exemplar nas reformas que permitem crescimento atual

Paul Thomsen, FMI
Paul Thomsen, FMI

O diretor do departamento europeu do Fundo Monetário Internacional (FMI) elogiou Portugal pelo cumprimento das metas.

O diretor do departamento europeu do Fundo Monetário Internacional (FMI) elogiou Portugal pelo cumprimento das metas e considerou que o país é um exemplo por ter feito as reformas necessárias a tempo de aproveitar a recuperação económica europeia.

“Portugal é o exemplo de um país onde a crise [de 2008 e 2009] originou uma boa resposta, incluindo em reformas estruturais, e colocou o país numa posição de aproveitar a forte recuperação económica na Europa e ter um bom crescimento económico”, disse Paul Thomsen na conferência de imprensa que decorreu esta tarde, no âmbito dos Encontros da Primavera, em Washington.

Respondendo a uma pergunta da Lusa sobre as previsões do Fundo para o crescimento económico português neste e nos próximos anos, o antigo responsável da missão do FMI em Portugal durante alguns dos anos de intervenção da ‘troika’ elogiou o país pelos indicadores apresentados.

“Portugal fez muito bem, [os bons indicadores] atestam a implementação com sucesso do programa que tiveram, e atestam também da determinação do novo Governo em continuar com o programa e também em continuar com a consolidação orçamental”, disse Thomsen.

Sobre os desafios ou riscos que o país tem pela frente, o diretor do departamento europeu do FMI elencou a dívida pública e privada e o setor financeiro.

“Portugal cumpriu as metas e também fez importantes progressos no sistema bancário; o país tem um problema de alta dívida no setor público, mas também no setor privado, e altos níveis de crédito malparado no sistema bancário”, vincou o responsável, destacando os “progressos na recapitalização dos bancos” e recomendando que o país “precisa, claramente, de continuar com as reformas e continuar a lidar com estes problemas no setor bancário”.

Na terça-feira, o FMI mostrou-se ligeiramente mais otimista para 2018, esperando mais crescimento económico (2,4%) e menos desemprego (taxa de 7,3%) do que o Governo. No Programa de Estabilidade, o executivo antecipa um crescimento económico de 2,3% este ano e uma taxa de desemprego de 7,6%.

As estimativas orçamentais do FMI até 2023 são menos otimistas do que as do executivo liderado por António Costa.

No Programa de Estabilidade, o Governo compromete-se com um défice orçamental próximo de zero (0,2% do PIB) já em 2019, último ano de legislatura e ano de eleições europeias e legislativas. A partir daí, são esperados excedentes orçamentais que crescem todos os anos: 0,7% do PIB em 2020, 1,4% em 2021 e 1,3% em 2022.

No entanto, o FMI – que tem como base um cenário de políticas invariantes para os próximos anos – não só não acredita em excedentes orçamentais até 2023, como considera que até esse ano o défice continuará mais perto de 1% do que de zero.

No ‘Fiscal Monitor’, o Fundo estima que Portugal tenha um défice orçamental de 0,9% em 2019, de 0,8% em 2020, de 0,7% em 2021 e de 0,6% em 2022 e em 2023.

O saldo primário, que exclui os encargos com a dívida pública, vai manter-se acima dos 2% neste período de previsões, segundo o FMI: 2,3% em 2018 e em 2019, 2,2% em 2020 e em 2021 e 2,1% em 2022 e 2023.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, durante a inauguração das Escadinhas da Saúde rolantes, ao Martim Moniz. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens

Crescimento do turismo em 2019 é o mais baixo desde a última crise

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP.
JOÃO RELVAS/LUSA

Bancos ganharam mais de 5,2 milhões por dia

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP, durante a conferência de imprensa de apresentação dos resultados do 1.º trimestre de 2019, Lisboa, 9 de maio de 2019. JOÃO RELVAS/LUSA

BCP vai fazer uma proposta de distribuição de dividendos “muito conservadora”

FMI considera Portugal exemplar nas reformas que permitem crescimento atual