FMI

FMI. Daqui a 30 anos mais de metade dos portugueses estarão inativos

Christine Lagarde. Fotografia: REUTERS/Denis Balibouse
Christine Lagarde. Fotografia: REUTERS/Denis Balibouse

Fundo diz que daqui a 30 anos, mais de metade da população de Portugal estará inativa. Bélgica, França, Itália e Espanha terão o mesmo problema.

Dentro de 30 anos, lá para meados de 2050, menos de metade da população em Portugal terá capacidade para trabalhar, isto é, mais de metade dos que vivem no país estarão inativos.

Portugal terá assim uma das taxas de participação laboral mais baixas do mundo desenvolvido, calcula um estudo divulgado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), esta segunda-feira.

De acordo com um dos capítulos de análise do novo Panorama Económico Mundial (World Economic Outlook), edição da primavera, a simulação feita “sugere que, caso não haja qualquer nova política para impulsionar a participação [o conjunto das pessoas que trabalham e os desempregados ativamente à procura de emprego, isto é, a população ativa], a taxa de participação mediana tendencial irá cair 5,5 pontos percentuais ao longo dos próximos 30 anos”.

Atualmente, em Portugal, essa taxa de atividade (empregados mais desempregados oficiais) rondará os 59% da população total, o que significa que 41% das pessoas residentes no território estão inativas.

O envelhecimento da população (natalidade baixa e maior longevidade), a saída de muitos por via da emigração, sobretudo durante os anos da troika, e o desencorajamento ou a falta de eficácia na procura de trabalho ajudam a explicar parte do problema.

“Projetamos que o declínio na participação seja transversal, com taxas abaixo dos 50% ou menos em países como Bélgica, França, Itália, Portugal e Espanha”, refere o texto do FMI.

Dito de outra forma, daqui a 30 anos, mais de metade da população residente em Portugal estará inativa. Idem para os casos de Bélgica, França, Itália e Espanha.

O Fundo acrescenta que isto terá consequências negativas para o bem-estar e o rendimento dos que estão. Se nada mudar no sentido de promover a participação de mais pessoas nos mercados de trabalho dos países desenvolvidos, “um declínio daquela magnitude [menos 5,5 pontos] traduz-se numa redução da riqueza potencial em 3 pontos percentuais até 2050 no caso de uma economia avançada típica”.

O FMI diz que boa parte da solução para inverter este estado de coisas passa por aumentar a participação das mulheres na faixa dos 24 a 54 anos (mulheres adultas) e, claro, das pessoas mais velhas, que podem adiar a idade de reforma ou conciliar a pensão com algum tipo de trabalho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

( Álvaro Isidoro / Global Imagens )

Greve ao sábado preocupa petrolíferas mas não são esperadas ruturas

TIAGO PETINGA/LUSA

Sindicato faz greve “cirúrgica” às horas extra entre 7 e 22 de setembro

Outros conteúdos GMG
FMI. Daqui a 30 anos mais de metade dos portugueses estarão inativos