FMI diz que afinal teria sido melhor reestruturar a dívida de Portugal

Christine Lagarde lidera o Fundo Monetário Internacional
Christine Lagarde lidera o Fundo Monetário Internacional

O Fundo Monetário Internacional está a rever a excepção que permitiu emprestar dinheiro a Portugal, Grécia e Irlanda sem uma reestruturação da sua dívida. No início dos resgates houve dúvidas relativamente à sustentabilidade da dívida destes países, mas foi possível evitar a reestruturação. Agora, essa possibilidade pode acabar.

De acordo com um artigo apresentado ao Conselho Consultivo do FMI, e hoje citado pelo Jornal de Negócios, técnicos desta instituição defendem que existem vantagens em reescalonar as dívidas quando existem dúvidas de sustentabilidade.

No ano passado, a instituição chegou a mencionar o “erro” de não se ter renegociado a dívida grega no início do primeiro resgate. E agora, este técnicos mostram que Portugal e a Irlanda teriam saído a ganhar se tivesse havido uma renegociação.

O que o documento – The Fund’s Lenging Framework and Sovereign Debt – refere é que a excepção criada para a Grécia (e posteriormente a Portugal e Irlanda), e que permitiu saltar a renegociação de dívida, foi demasiado rígida por “implicar uma reestruturação de dívida definitiva”. E propõem que seja eliminada para dar lugar a uma nova regra que diga que deve haver reestruturação sempre que existirem dúvidas relativamente à sustentabilidade da dívida.

“Comparado com um resgate simples, um reescalonamento pode expandir o financiamento de curto prazo para um país sob pressão e permitir um ritmo mais gradual de consolidação orçamental”, diz o documento citado pelo Negócios.

Em 2002, o Fundo Monetário Internacional estabeleceu uma regra uqe diz que qualquer empréstimo – como o português – implica uma avaliação prévia da sustentabilidade das finanças públicas. Se essa sustentabilidade for atestada, o empréstimo pode seguir sem problemas, mas caso isto não aconteça, terá de ser acompanhado de uma reestruturação.

No entanto, quando em 2010, a Grécia iniciou os pedidos de ajuda, a regra foi flexibilizada mesmo perante as dúvidas que a dívida grega levantava. O FMI mostrou que a reestruturação de dívida também acarretava problemas e desta forma criou uma excepção que permitiu empréstimos sem reestruturação.

Esta excepção também foi aplicada a Portugal e à Grécia. Mas é precisamente essa a dúvida que agora se levanta.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Patrick Drahi, fundador da Altice

Altice. Dona da PT confirma conversações para compra da TVI

Tesouro italiano coloca milhões a taxas de juros mínimas

Governo italiano aprova resgate de dois bancos à beira da falência

António Serrano, nos estúdios da TSF. Professor catedrático e político português, foi Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas do XVIII Governo Constitucional de Portugal.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

António Serrano: “É preciso um choque de gestão no território florestal”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
FMI diz que afinal teria sido melhor reestruturar a dívida de Portugal