Brexit

FMI diz que Europa deve preparar-se para ‘chegada massiva’ de financeiras

EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA
EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

O Banco de Inglaterra estimou que 10.000 empregos no setor dos serviços financeiros poderiam ser deslocados no primeiro dia do Brexit.

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, defendeu esta segunda-feira em Dublin que a zona euro devia estar pronta para acolher uma “chegada massiva” de sociedades financeiras na sequência do ‘brexit’.

“É crucial fazer com que tudo esteja pronto em termos de regulação e de supervisão para a chegada massiva de empresas financeiras que acabarão por se deslocar do sítio onde estão agora para a Europa continental e Irlanda”, afirmou a responsável do FMI durante uma conferência sobre a moeda única europeia.

Estas declarações de Lagarde, que está a efetuar uma visita de dois dias à Irlanda, surgem quando a comunidade empresarial está cada vez mais preocupada com o fracasso das negociações entre o Reino Unido e a União Europeia (UE), o que levaria a um divórcio inflexível e a questionar qualquer período de transição.

O setor financeiro já marginalizou o passaporte europeu, que permite que as empresas ofereçam os seus serviços em todo o continente, por estarem localizadas no Reino Unido. Mas este precioso instrumento está condenado com a saída do mercado único prometida pelo governo conservador de Theresa May.

Londres está agora a pressionar para a negociação de um acordo de livre comércio, incluindo serviços financeiros, essencial para a economia do país e para influência da sua capital, mas Bruxelas opõe-se pelo menos por enquanto.

Vários bancos icónicos da City alertaram que seriam forçados a deslocar determinadas atividades e empregos, apesar do tom utilizado pelos responsáveis ter parecido um pouco menos catastrófico recentemente.

O Banco de Inglaterra estimou que 10.000 empregos no setor dos serviços financeiros poderiam ser deslocados no primeiro dia do Brexit.

Sinal dos crescentes temores dos meios financeiros, o regulador bancário europeu (EBA nas siglas em inglês) alertou esta segunda-feira para a falta de preparação das instituições financeiras para a saída do Reino Unido da UE, prevista para daqui a nove meses, e pediu-lhes para a partir de agora se prepararem para um Brexit sem acordo.

As ameaças vão além do setor financeiro, como recordou o gigante da aeronáutica Airbus na semana passada quando advertiu para uma possível saída do Reino Unido em eventual cenário negro.

Segundo um estudo publicado pelo escritório de advogados Baker & McKenzie, metade das empresas europeias já reduziram o investimento no Reino Unido devido ao ‘brexit’.

O estudo foi realizado com base em entrevistas a 800 responsáveis de empresas em França, Alemanha, Espanha, Holanda, Suécia e Irlanda.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças de Angola, Archer Mangueira. Fotografia: Direitos Reservados

Archer Mangueira garante solução para dívida a empresas até final do ano

Angola

Construtoras querem solução para problemas das dívidas de Angola

António Costa, primeiro-ministro, e Mário Centeno, ministro das Finanças, num debate parlamentar sobre o OE2019. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Outras touradas do Orçamento: as medidas mais arriscadas

Outros conteúdos GMG
FMI diz que Europa deve preparar-se para ‘chegada massiva’ de financeiras