Outlook

FMI revê crescimento português em forte alta, mas deixa desemprego na mesma

Christine Lagarde. Fotografia: REUTERS/Ng Han Guan
Christine Lagarde. Fotografia: REUTERS/Ng Han Guan

"Produção de riqueza permanece significativamente abaixo do potencial em França, Itália, Portugal, Espanha e, em especial, na Grécia"

O crescimento real da economia português vai ser mais forte do que pensava há dois meses a missão do Fundo Monetário Internacional (FMI), anunciou a instituição esta terça-feira ao mais alto nível. No entanto, o maior impulso na riqueza interna não se vai traduzir num nível de desemprego melhor.

O crescimento da economia este ano foi revisto em alta de 1,3% em fevereiro para 1,7% agora, mas o desemprego fica igual, nos 10,6% da população ativa, indicam as novas projeções do Panorama Económico Mundial (World Economic Outlook), edição da primavera de 2017.

O mesmo sucede com 2018: a economia portuguesa passa a crescer mais, cerca de 1,5% (antes era 1,2% segundo a missão no âmbito da troika), mas ainda assim o desemprego não mexe, mantendo-se acima dos 10% (10,1%).

Ora isto contraria a visão do governo no seu Programa de Estabilidade. No PE, a respetiva taxa de desemprego descer mais, para 9,9% este ano e chega a 9,3% no próximo.

Apesar de a economia ganhar força, o FMI de Christine Lagarde também contraria o otimismo do governo no reequilíbrio externo e no aumento de potencial.

Ao passo que o governo de António Costa projeta um saldo positivo da balança corrente de 0,2% do PIB este ano e com tendência para aumentar até 2021 (0,7%), o FMI vê o país a mergulhar num novo défice externo por ser pouco competitivo, depender muito das importações e de não exportar em valor suficiente.

O Fundo estima que o excedente corrente de 0,8% de 2016 se transforme em défice de 0,3% este ano e piore até 0,4% no ano que vem.

“A produção de riqueza permanece significativamente abaixo do potencial em França, Itália, Portugal, Espanha e, em especial, na Grécia”, constata o FMI no estudo que abarca quase todos os países do globo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ana Avoila, coordenadora da Frente Comum de Sindicatos da Função Pública. Fotografia: Orlando Almeida/Global Imagens

Precários do Estado com menos de três anos de serviço vão ter concurso próprio

Maria Helena Rodrigues, presidente do STE

Precários: “Não é claro” como ficam trabalhadores mais qualificados, diz STE

Mario Draghi, no Fórum BCE 2017. Fotografia: Banco Central Europeu

Draghi. “A Europa precisa de um sucesso como o MIT”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
FMI revê crescimento português em forte alta, mas deixa desemprego na mesma