Outlook

FMI revê crescimento português em forte alta, mas deixa desemprego na mesma

Christine Lagarde. Fotografia: REUTERS/Ng Han Guan
Christine Lagarde. Fotografia: REUTERS/Ng Han Guan

"Produção de riqueza permanece significativamente abaixo do potencial em França, Itália, Portugal, Espanha e, em especial, na Grécia"

O crescimento real da economia português vai ser mais forte do que pensava há dois meses a missão do Fundo Monetário Internacional (FMI), anunciou a instituição esta terça-feira ao mais alto nível. No entanto, o maior impulso na riqueza interna não se vai traduzir num nível de desemprego melhor.

O crescimento da economia este ano foi revisto em alta de 1,3% em fevereiro para 1,7% agora, mas o desemprego fica igual, nos 10,6% da população ativa, indicam as novas projeções do Panorama Económico Mundial (World Economic Outlook), edição da primavera de 2017.

O mesmo sucede com 2018: a economia portuguesa passa a crescer mais, cerca de 1,5% (antes era 1,2% segundo a missão no âmbito da troika), mas ainda assim o desemprego não mexe, mantendo-se acima dos 10% (10,1%).

Ora isto contraria a visão do governo no seu Programa de Estabilidade. No PE, a respetiva taxa de desemprego descer mais, para 9,9% este ano e chega a 9,3% no próximo.

Apesar de a economia ganhar força, o FMI de Christine Lagarde também contraria o otimismo do governo no reequilíbrio externo e no aumento de potencial.

Ao passo que o governo de António Costa projeta um saldo positivo da balança corrente de 0,2% do PIB este ano e com tendência para aumentar até 2021 (0,7%), o FMI vê o país a mergulhar num novo défice externo por ser pouco competitivo, depender muito das importações e de não exportar em valor suficiente.

O Fundo estima que o excedente corrente de 0,8% de 2016 se transforme em défice de 0,3% este ano e piore até 0,4% no ano que vem.

“A produção de riqueza permanece significativamente abaixo do potencial em França, Itália, Portugal, Espanha e, em especial, na Grécia”, constata o FMI no estudo que abarca quase todos os países do globo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Fitch dá maior subida de rating de sempre a Portugal e coloca país no grupo da Itália

Luz custa 21,3 euros/100kwh diz Eurostat

É oficial. Preços da luz descem 0,2% em 2018

Luís Palha da Silva, presidente do Conselho de Administração da Pharol

Pharol discorda do plano de recuperação judicial da Oi e ameaça com justiça

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
FMI revê crescimento português em forte alta, mas deixa desemprego na mesma