FMI/Previsões: Fundo vai avaliar de forma mais regular a corrupção nos países

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou hoje a implementação de um novo quadro regulamentar para avaliar os sinais de corrupção sistemática nos seus 189 membros, vincando que a corrupção prejudica o crescimento, investimento e as receitas fiscais.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou hoje a implementação de um novo quadro regulamentar para avaliar os sinais de corrupção sistemática nos seus 189 membros, vincando que a corrupção prejudica o crescimento, investimento e as receitas fiscais.


O novo quadro, anunciou a instituição durante os Encontros da Primavera, que decorrem até hoje, em Washington, implica a “avaliação regular” dos contornos e da gravidade da corrupção nos países.


O anúncio, minutos antes do último painel de discussão dos Encontros, sobre “Restaurar a Confiança Atacando a Corrupção”, acrescenta que as medidas vão começar a ser implementadas a partir de 01 de julho.


“Sabemos que a corrupção afeta os países mais pobres e mina a confiança nas instituições”, disse a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, salientando que “o foco [das novas regras] está na avaliação da governação de uma forma geral, e não apenas na corrupção”.


As fraquezas da governação, continuou a diretora-geral, “abrem a porta à corrupção”, o mesmo acontecendo com a complexidade das regras orçamentais e de governação.


“Quanto mais intrincadas são as regras da governação, mais mecanismos existem para as contornar”, disse Lagarde, defendendo regras mais simples, mas mais eficazes.


A corrupção, de acordo com cálculos do FMI, leva 2% da riqueza global todos os anos e os subornos pagos anualmente valem entre 1,5 biliões e dois biliões, um valor próximo do PIB da França.


“Até agora, a nossa análise sobre a corrupção não era muito detalhada, mas isso vai mudar com este novo quadro”, prometeu a líder do FMI.


O Fundo não tem poderes judiciais sobre a corrupção nos países membros, mas tem o poder de pressionar os seus membros através do condicionamento de programas financeiros, como aconteceu com a Ucrânia, em que a libertação de fundos ficou condicionada à implementação de reformas, ou em Moçambique, onde a implementação de um programa de assistência financeira está dependente de mais esclarecimentos sobre os beneficiários das dívidas ocultas.


Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

BCP

BCP propõe distribuir 30 milhões em dividendos

Miguel Maya, CEO do Millennium Bcp.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Lucro do BCP sobe mais de 60% para 300 milhões em 2018

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
FMI/Previsões: Fundo vai avaliar de forma mais regular a corrupção nos países