Riqueza

Fortunas dos mais ricos chegam ao fim do ano mais recheadas que nunca

Jeff Bezos, líder da Amazon, é o homem mais rico do mundo. (EPA/VICTORIA BONN)
Jeff Bezos, líder da Amazon, é o homem mais rico do mundo. (EPA/VICTORIA BONN)

Índice da Bloomberg revela que nos últimos 12 meses, os 500 mais ricos do mundo somaram às suas fortunas 1,2 milhões de milhões de dólares.

As grandes fortunas do mundo nunca foram tão recheadas como no final do ano 2019. O ano encerra em máximos históricos para as 500 pessoas mais ricas do planeta, que nos últimos 12 meses somaram às suas fortunas 1,2 milhões de milhões de dólares (mas de um milhão de milhões de euros), elevando o seu património coletivo até aos 5,9 millhões de milhões, revela o índice da Bloomberg.

O que mais viu a fortuna crescer foi o francês Bernard Arnault, que chegou ao final de 2019 com mais 37,7 mil milhões nos bolsos. O presidente do grupo Louis Vuitton é o terceiro homem mais rico do mundo, apenas atrás de Jeff Bezos e Bill Gates, com uma fortuna de 106,2 mil milhões de dólares.

A acentuada subida das ações do grupo francês em bolsa, que adquiriu recentemente a Tifanny, fez crescer a fortuna do magnata em 37,7 mil milhões de dólares, o que lhe permitiu aceder ao clube exclusivo dos “cem-mil-milionários”, com o líder da Amazon e o fundador da Microsoft.

Jeff Bezos continua a liderar a tabela dos mais ricos do mundo, com um património avaliado em mais de 116 280 milhões de dólares, apesar de ter perdido 8,7 mil milhões. Depois do divórcio, Bezos entregou 4% das ações da Amazon à ex-mulher, Mackenzie Bezos, que se tornou a quinta mulher mais rica do mundo.

Na quarta posição está Warren Buffett. O magnata do imobiliário chegou ao final do ano com uma fortuna de 89 mil milhões de dólares. A rede imobiliária do multimilionário chegou este ano a Portugal, à cidade do Porto. A Berkshire Hathaway HomeServices entrou no mercado nacional através da Portugal Property, a maior corretora imobiliária independente do país.

Segue-se o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, com um património avaliado em 78,1 mil milhões de dólares. Depois de ter vivido um ano atribulado em 2018 – entre acusações do uso ilegal dos dados dos utilizadores e de promoção de notícias falsas -, neste ano, Zuckerberg conseguiu fazer subir a sua fortuna em 27,4 mil milhões. No entanto, as polémicas sobre as fugas de dados continuam.

Amancio Ortega, dono da Zara, surge na sexta posição, com 76 mil milhões de dólares. O CEO da Inditex tem vindo a investir no mercado imobiliário. Depois de ter comprado, o edifício onde está uma parte da sede da Amazon, em Seattle, o multimilionário espanhol adquiriu um complexo de escritórios, denominado Arbor Blocks, que acolhe 500 funcionários do Facebook, na mesma cidade.

Apenas 52 pessoas do índice viram a sua riqueza diminuir em 2019. Um deles é Rupert Murdoch, principal acionista da Fox News, dona do The Sun e The Times. O empresário viu o seu património descer em 10,2 mil milhões, depois de vender ativos da Fox à Walt Disney e ter distribuído os rendimentos entre os seus filhos.

Quanto aos mais jovens, a coroa é de Kylie Jenner. A socialite, de 22 anos, acumula um património de mil milhões de dólares graças ao sucesso e à venda de 51% da sua marca de maquilhagem e cosmética, Kylie Cosmetics.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Turistas passeiam na baixa de Quarteira dia 19 de março de 2020. (LUÍS FORRA/LUSA)

Desemprego no Algarve triplica em maio por quebras no turismo

(MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

OE Suplementar: Oposição levou 263 propostas a votação, passaram 35

O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Orçamento Suplementar em 5 minutos

Fortunas dos mais ricos chegam ao fim do ano mais recheadas que nunca