Fórum para a Competitividade

Fórum para a Competitividade revê em baixa o crescimento da economia em 2018

Competitividade melhorou em 2014

"Um dos aspetos mais negativos desta evolução é que se registou de novo uma queda da produtividade", refere o Fórum para a Competitividade.

O Fórum para a Competitividade reviu esta segunda-feira em baixa a estimativa de crescimento da economia portuguesa este ano para 2,0% a 2,3%, destacando como principal aspeto negativo da desaceleração registada até março a “nova queda de produtividade”.

“No primeiro trimestre o PIB [Produto Interno Bruto] de Portugal desacelerou de 2,4% para 2,1%, como esperado, mas com perspetivas de novos abrandamentos, pelo que atualizamos a nossa estimativa para entre 2,0% e 2,3% [face aos anteriores 2,2% a 2,5%] para o conjunto do ano”, lê-se na nota de conjuntura de maio.

Segundo acrescenta, “um dos aspetos mais negativos desta evolução é que se registou de novo uma queda da produtividade”, ainda mais intensa do que no trimestre anterior, “com o PIB a crescer menos do que o emprego devido à baixa qualidade dos empregos criados”: “Com o emprego a crescer a 3,2%, o PIB deveria estar a crescer a 4,5% e não a 2,1%”, refere.

De acordo com a nota de conjuntura elaborada pelo Gabinete de Estudos do Fórum para a Competitividade, no primeiro trimestre de 2018 o Índice de Custo do Trabalho caiu 1,5%, quando no trimestre precedente tinha subido 3,8%, sendo a descida “generalizada a todos os setores, com exceção da indústria, onde houve estagnação dos custos”.

“A contenção salarial em simultâneo com uma queda continuada da taxa de desemprego é uma boa notícia para a competitividade da economia (os salários representam metade do PIB, não são um custo insignificante como muitos erradamente supõem), mas também um pouco surpreendente”, sustenta.

Segundo o Fórum para a Competitividade, “uma explicação possível é que as empresas ainda têm memória da necessidade e quase impossibilidade de baixar salários durante a crise e não querem aumentar estes custos, que são praticamente irreversíveis”.

O Fórum nota ainda que a avaliação que a Comissão Europeia fez do Programa de Estabilidade “coincide com as duas críticas principais” que o próprio Fórum já tinha feito: “excesso de otimismo quanto ao crescimento económico para lá de 2019” e “consolidação orçamental em termos estruturais muito aquém do necessário”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (E), entrega a proposta de Orçamento de Estado para 2019 ao presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues (R), no parlamento, Lisboa, 15 de outubro de 2018.  MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Em direto: As principais linhas do Orçamento do Estado para 2019

Rosalia Amorim

Opinião OE2019. “Mais cedo ou mais tarde chegará”

Outros conteúdos GMG
Fórum para a Competitividade revê em baixa o crescimento da economia em 2018