OCDE

Fosso entre custo das casas e rendimento tem maior agravamento da OCDE

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

Em 2018, salário médio por trabalhador subiu 2%, mas custo nominal da habitação disparou mais de 10%, cinco vezes mais, mostra OCDE.

O indicador que mede o custo da habitação em relação ao rendimento disponível das famílias portuguesas teve o maior agravamento do grupo da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) em 2018 comparativamente a 2017. Preço das casas é dos que mais sobe neste grupo da OCDE, os salários, nem por isso.

De acordo com dados do novo panorama económico da OCDE (outlook), divulgados esta semana, Portugal registou uma subida de 6% nessa disparidade num grupo de 22 economias estudadas, mostram cálculos do Dinheiro Vivo (DV) com base na nova informação da entidade liderada por Angel Gurría. É também maior subida destes registos, que remontam a 1999.

Ou seja, neste grupo da OCDE, as famílias portuguesas são as que mais perdem poder de compra em 2018, tendo em conta a subida de preços quase generalizada da habitação no território.

O segundo maior aperto nesta relação custo habitacional/rendimento familiar ocorre num país mais próspero que Portugal, a Irlanda, onde a subida anual foi de 5,3% em 2018. Na Holanda, um dos países mais ricos da zona euro, o aumento da disparidade foi de 5,2%; está em terceiro lugar.

No grupo da OCDE, o agravamento médio foi de apenas 1%. Na zona euro, não foi além dos 1,3%.

No extremo oposto, aparecem dois países escandinavos, onde as casas estão a ficar mais acessíveis face ao poder de compra. O custo relativo da habitação face aos níveis de rendimento familiares caiu 4,9% na Suécia e 3,3% na Finlândia, mostram os mesmos cálculos do DV.

Os dados mostram ainda que, em Portugal, este indicador da disparidade financeira no acesso à habitação está a apertar cada vez mais em Portugal. Esse fenómeno dura já há três anos consecutivos. Embora a relação entre custo imobiliário e rendimento esteja ligeiramente abaixo da média de longo prazo (esteve em queda entre 2002 e 2015), a tendência foi interrompida em 2016, com uma subida de quase 4%. Em 2017, o agravamento foi de mais 5,6%.

No novo oulook, a OCDE não aborda o problema da habitação em Portugal, mas este ano a instituição até já se debruçou sobre o tema, assim como outras entidades (Comissão Europeia, FMI, Banco de Portugal).

Mas neste estudo, a OCDE mostra algo que ajuda a explicar o que está a acontecer. Portugal teve, em 2018, o segundo maior aumento nominal do preço das casas (num grupo de 33 países), com uma subida superior a 10% (cinco vezes mais que a expansão salarial, ver em baixo). Mais só na Eslovénia (15%).

Em contrapartida, o salário médio por trabalhador teve dos avanços mais baixos (11º mais fraco) no tal grupo de 33 economias. O aumento médio nominal salarial ficou em 2% no ano passado, indica a OCDE.

Turismo ajuda a explicar

Recentemente, no extenso estudo económico que fez sobre Portugal, a OCDE avisou para o facto de a habitação estar sob uma “considerável pressão”.

Referiu que o “boom do turismo” e a política dos vistos gold aumentaram muito a procura de casas “especialmente em Lisboa, no Porto e no Algarve”, mas que “o crescimento da oferta de habitação não acompanhou o ritmo”.

Entre 2007 e 2014, o investimento anual em habitação caiu mais de 50% logo boa parte do crescimento não chega para compensar esse grau de destruição dos anos da crise. “Nos últimos anos, tem havido um aumento constante na oferta de alojamentos turísticos”. O número de camas “aumentou 23% entre 2013 e 2017”; um terço desse crescimento tem a ver com a maior disponibilidade de “quartos em habitações locais”.

“Em Lisboa, a oferta do Airbnb mais do que duplicou” desde 2015, mas a procura turística total continua a ultrapassar claramente a oferta. Isto está a conduzir “a um forte crescimento dos preços do alojamento turístico” e contribui para uma “pressão ascendente sobre as rendas da habitação” e outros custos, em Portugal.

A OCDE conclui que este ambiente pode “reduzir a competitividade do setor do turismo em Portugal” e pode levar a “intervenções políticas que limitam a expansão do turismo”, como por exemplo medidas que promovam a habitação a preços mais acessíveis, como já está a acontecer.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

O ex-governador do Banco de Portugal (BdP), Vítor Constâncio, na II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. TIAGO PETINGA/LUSA

BCP, Berardo e calúnias. As explicações de Constâncio no inquérito à CGD

Outros conteúdos GMG
Fosso entre custo das casas e rendimento tem maior agravamento da OCDE