Ecofin

França amiga de Portugal contra as sanções no défice

Michel Sapin e Mário Centeno, no Eurogrupo de 11 de julho. Fotografia: REUTERS/François Lenoir
Michel Sapin e Mário Centeno, no Eurogrupo de 11 de julho. Fotografia: REUTERS/François Lenoir

"Portugal fez esforços monstruosos nestes últimos anos" a nível do défice e portanto "não merece disciplina excessiva", disse Michel Sapin

Portugal teve ser poupado às sanções que alguns países pretendem ver aplicadas ao país por violação do défice público (máximo de 3% do PIB), defendeu o ministro das Finanças de França.

Em declarações aos jornalistas em Paris, citadas pela Lusa, Michel Sapin, recordou que “Portugal fez esforços monstruosos nestes últimos anos” e que portanto “não merece disciplina excessiva”. Depois partiu para Bruxelas, para a reunião do Eurogrupo (segunda-feira dia 11, o conselho informal de ministros das Finanças da zona euro)), a que se seguirá o decisivo Ecofin (ministros dos 28 da União Europeia, na terça dia 12).

Será neste Ecofin que será votada a proposta da Comissão Europeia que, entre outras coisas, dá sequência ao Procedimento por Défices Excessivos, em que já é possível multar o país em 0% a 0,2% do PIB e/ou congelar a atribuição de fundos comunitários, alegando que o governo tomou “ações não eficazes” de redução do défice.

Segundo o ministro das Finanças francês, a derrapagem orçamental portuguesa aconteceu, sobretudo, por o “Estado ter tido a obrigação de salvar um banco”.

Até dezembro, pensava-se que, mesmo com as tradicionais derrapagens de fim de ano na execução orçamental, o défice podia ficar nos 3%. Não ficou. A ajuda dos contribuintes ao Banif fez disparar o indicador até 4,4%, violando assim o Pacto de Estabilidade.

Curiosamente, ou não, o ministro francês diz ter mais dúvidas em relação à situação de Espanha, o outro país que está a ser visado pela proposta punitiva da Comissão Europeia.

A Lusa refere que Sapin “reconheceu que a situação era difícil, tendo em conta o contexto político do país, privado de uma maioria clara desde as duas últimas eleições”.

“A dificuldade é saber com quem devemos debater e quem assume os compromissos”, referiu o ministro antes de partir para a capital belga.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal  Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Mário Vaz. “Havendo frequências, em julho teríamos cidades 5G”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), durante a cerimónia militar do Instituto Pupilos do Exército (IPE), inserido nas comemorações do 108.º aniversário da instituição, em Lisboa, 23 de maio de 2019.  ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: “Quem não for votar, depois não venha dizer que se arrepende”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
França amiga de Portugal contra as sanções no défice