Brexit

França intensifica preparativos para saída sem acordo do Reino Unido

Edouard Philippe, primeiro-ministro da França. (Fotografia. Gonzalo Fuentes/ Reuters)
Edouard Philippe, primeiro-ministro da França. (Fotografia. Gonzalo Fuentes/ Reuters)

Primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, reúne-se amanhã com os "principais ministros para fazer um balanço dos preparativos e acelerá-los".

A França vai intensificar os seus preparativos para um Brexit sem acordo, após a rejeição por parte do Parlamento britânico do acordo de saída negociado com Bruxelas, anunciou esta quarta-feira a Presidência francesa. O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, vai encontrar-se na quinta-feira pela manhã com os “principais ministros para fazer um balanço dos preparativos e acelerá-los”, precisou a Presidência francesa.

O porta-voz do Governo francês, Benjamin Griveaux, disse que o objetivo da reunião é explorar “uma possível aceleração” para que as instituições francesas “estejam prontas no caso de uma saída da Grã-Bretanha da União Europeia sem o acordo”. Quase vinte ministros vão estar presentes ou representados nesta reunião, incluindo os da Economia, das Contas Públicas, Negócios Estrangeiros, Justiça e Educação.

A França “lamenta a rejeição do acordo por uma esmagadora maioria” dos parlamentares britânicos, referiu Griveaux. Segundo o porta-voz, este foi “o melhor acordo possível, não é negociável”, insistiu, acrescentando que Paris agora aguarda propostas de Londres.

De acordo com o Eliseu, “o importante hoje é que há uma solução. Todas as soluções a serem propostas serão vistas com simpatia e abertura, desde que respeitem os princípios da UE, incluindo a integridade do mercado único e no interesse da coesão e do projeto europeu”. O cenário de um acordo sem saída “seria muito negativo para o Reino Unido” e “seria mau para a Europa e para a França, que é a porta da frente” de grande parte dos fluxos entre a Grã-Bretanha e o resto da Europa, sublinhou a Presidência.

O parlamento britânico reprovou na noite de terça-feira de forma expressiva o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia negociado pelo Governo da primeira-ministra Theresa May com Bruxelas, com 432 votos contra e 202 a favor. Uma desvantagem de 230 votos, sendo que 118 dos votos contra foram de deputados do próprio partido Conservador da primeira-ministra Theresa May.

Após ser conhecida a derrota do Governo conservador de Theresa May, o líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, apresentou na câmara baixa do Parlamento uma moção de censura contra o executivo que será debatida e votada hoje e que, a ser aprovada, poderá desencadear a convocação de eleições legislativas antecipadas.

Para ser bem-sucedida, uma moção de censura precisa de pelo menos 320 votos a favor, mas a oposição ocupa apenas 308 lugares dos 650 da Câmara dos Comuns, pelo que terá de conseguir o apoio de outros deputados. Com o chumbo, a dois meses e meio da data [29 de março] prevista para a saída, já esperado por políticos, imprensa e analistas, o processo fica com um futuro incerto.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

BCP

BCP propõe distribuir 30 milhões em dividendos

Miguel Maya, CEO do Millennium Bcp.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Lucro do BCP sobe mais de 60% para 300 milhões em 2018

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
França intensifica preparativos para saída sem acordo do Reino Unido