moeda digital

França, Itália e Alemanha querem proibir Libra do Facebook

Facebook, Mark Zuckerberg
Foto: REUTERS/Stephen Lam

"A Libra não é bem-vinda em território europeu", diz ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire.

A França, a Itália e a Alemanha estão a preparar em conjunto medidas para interditar na Europa a criptomoeda do Facebook, a Libra, anunciou Bruno Le Maire, ministro das Finanças francês.

“A Libra não é bem-vinda em território europeu. Estamos a tomar medidas, com os italianos e os alemães porque é a nossa soberania que está em jogo”, declarou o ministro, numa conferência de imprensa à margem das reuniões do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, que decorrem em Washington.

Questionado sobre a natureza dessas medidas, Le Maire recusou-se a revelá-las, por enquanto. “É a mensagem política que é importante”, insistiu.

O ministro apontou um dos aspetos controversos: o facto de a Libra, cujo lançamento está previsto para 2020, se apoiar num conjunto de moedas.

“Basta que o Facebook decida ter mais euros ou mais dólares para ter um impacto a nível cambial no euro ou no dólar e consequentemente um impacto direto no comércio, na indústria, nos Estados que têm como moeda de referência o euro ou o dólar”, referiu.

Isso vai afetar a eficácia dos Estados e debilitar a independência da política monetária, sublinhou.

“Queremos que a política monetária fique nas mãos de uma empresa privada como o Facebook? A minha resposta é claramente não”, afirmou.

Bruno Le Maire sublinhou, no entanto, que não é contra a criação de uma moeda digital pública na qual a França está disposta a trabalhar “num quadro europeu”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ministro da Economia Pedro Siza Vieira, no Roteiro Automóvel, visitou a PSA e conduziu um dos carros fabricados em Mangualde.  (João Silva / Global Imagens )

Governo quer choque elétrico nas fábricas de automóveis

Ana Jacinto, secretária-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) antes de uma entrevista, esta manhã nos estúdios TSF.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Ana Jacinto. Hotelaria e restauração precisam de mais de 40 mil trabalhadores

despedimentos coletivos

Despedimentos coletivos voltam a subir em 2019 e arrasam no Norte

França, Itália e Alemanha querem proibir Libra do Facebook