Impostos

França já aprovou o imposto que vai obrigar Amazon, Google e Facebook a pagar

O CEO da Amazon Jeff Bezos 
Fotografia: REUTERS/Mike Blake
O CEO da Amazon Jeff Bezos Fotografia: REUTERS/Mike Blake

Entre 2012 e 2015, a União Europeia terá perdido 5,4 mil milhões de euros em impostos que estas multinacionais deixaram de pagar

É um debate já antigo. Multinacionais como a Google, Amazon, Apple ou Facebook estabeleceram-se em países com benefícios fiscais, como a Irlanda, e, por isso, não são taxadas nos países onde efetivamente negoceiam. Em França, isto está prestes a terminar. A câmara baixa do Parlamento Francês aprovou esta semana um novo imposto de 3% sobre as receitas obtidas por estas gigantes do online.

Para avançar, este imposto ainda terá de receber o crivo do Senado. Mas, se correr como esperado, o País de Emmanuel Macron será o primeiro na Europa a tributar as gigantes tecnológicas com receitas globais acima de 750 milhões de euros. Bruno Le Maire, ministro das Finanças francês, conta que o imposto incida sobre 30 empresas diferentes, o que deverá render 500 milhões de euros aos cofres franceses todos os anos.

No último ano, a Europa tentou avançar de forma conjunta para um imposto semelhante, mas a tentativa falhou, com a oposição da Irlanda, Republica Checa, Suécia e Finlândia. Para avançar na Europa, a decisão teria de ser tomada por unanimidade e não por maioria, como defende o ministro francês que, pediu apoio, logo em janeiro, para avançar com uma taxa nacional.

Este movimento levou a que outros países começassem a trabalhar os seus próprios enquadramentos fiscais. São eles a Alemanha, Reino Unido e Espanha.

Mas Le Maire não desiste de conseguir um apoio mais alargado e, ainda no ano passado, garantiu que durante a presidência francesa do G7, em 2019, França continuaria a “batalha justa contra os ‘gigantes’ digitais” para estabelecer “uma tributação mínima” às empresas e por combater a evasão fiscal.

Em 2017, Portugal estava entre os dez países que avançaram com o documento que exigia a intervenção da Comissão europeia para a adopção de um modelo tributário sobre os lucros destas grandes empresas.

Dados publicados, nessa altura pelo jornal Público, mostram que entre 2012 e 2015, a União Europeia terá perdido 5,4 mil milhões de euros em impostos que as tecnológicas de origem norte-americana deixaram de pagar por beneficiarem de regimes tributários muito favoráveis em alguns países comunitários.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Base Aérea n.º 6, no Montijo, que será adaptada para a aviação civil caso aí avance a construção do novo aeroporto de Lisboa. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens

Montijo: Novo aeroporto já tem luz verde definitiva

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva  (MIGUEL A. LOPES/LUSA)

Ministro defende atuação do Governo: Portugal “fará o que tem feito”

Cláudia e Paulo Azevedo
(José Carmo/Global Imagens)

Sonae “está a acompanhar com atenção e preocupação”

França já aprovou o imposto que vai obrigar Amazon, Google e Facebook a pagar