França

França vai pedir suspensão de negociações do acordo comercial UE-EUA

François Hollande, presidente de França
François Hollande, presidente de França

França vai pedir à Comissão Europeia que suspenda as negociações do acordo comercial entre a União Europeia e os Estados Unidos.

França vai pedir à Comissão Europeia que suspenda as negociações do acordo comercial entre a União Europeia e os Estados Unidos, disse hoje o secretário de Estado do Comércio Externo francês.

“Já não há apoio político em França para estas negociações” e “França apela a um fim destas negociações”, disse Matthias Fekl à Rádio RMC.

Negociadores dos Estados Unidos e da União Europeia tentam finalizar o proposto Acordo de Livre Comércio e Investimento Transatlântico (TTIP, na sigla inglesa), que vai criar a maior zona de comércio livre do mundo.

No entanto, as negociações têm enfrentado dificuldades, não só devido aos termos do acordo em si mas também pela decisão do Reino Unido de sair da União Europeia e pela crescente oposição ao acordo em França e na Alemanha.

Fekl acredita que as negociações favorecem os Estados Unidos.

“Os norte-americanos não dão nada, apenas migalhas (…) não é assim que as negociações se fazem entre aliados”, disse.

“Precisamos de uma suspensão clara e definitiva destas negociações de modo a recomeçar com uma boa base”, afirmou.

A França vai avançar com este argumento numa reunião de ministros do comércio externo em Bratislava, em setembro, informou Fekl.

Os ativistas que se opõem ao TTIP desde que as negociações começaram, em 2013, dizem que o acordo vai apenas beneficiar as multinacionais e prejudicar os consumidores.

O primeiro-ministro francês Manuel Valls disse considerar “impossível” que os dois lados concluam as negociações sobre o acordo comercial até ao fim de 2016.

No mesmo sentido, o vice-chanceler e ministro da Economia alemão Sigmar Gabriel disse no domingo que as negociações estão estagnadas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

ISEG estima queda do PIB entre 8% e 10% este ano

António Mota, fundador da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Mota-Engil é a única portuguesa entre as 100 maiores cotadas do setor

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Lucros da Corticeira Amorim caíram 15,1% para 34,3 milhões no primeiro semestre

França vai pedir suspensão de negociações do acordo comercial UE-EUA