Freitas do Amaral defende novo Primeiro-ministro

Freitas do Amaral concorda com Jardim
Freitas do Amaral concorda com Jardim

Depois de João Jardim ter defendido que era necessário o PSD criar um novo Governo, Freitas do Amaral vem partilhar a mesma opinião defendendo um novo primeiro-ministro da atual maioria PSD/CDS-PP, avança o Jornal de Negócios.

O fundador do CDS afirmou que “ou o Governo muda de política ou o país muda de Governo”. Freitas do Amaral, que também foi membro do executivo socialista liderado por José Sócrates, considera também que Vítor Gaspar também “falhou tudo” e portanto “falhou a sua missão”.

“O Governo está perante um dilema, ou muda de política ou o país muda de Governo. Quem fez a declaração mais sábia e acertada nos últimos tempos foi Alberto João Jardim, que preconizou que a melhor solução para Portugal, neste momento, era outro governo da actual maioria, sem eleições, mas com outro primeiro-ministro, escolhido, naturalmente, pelo PSD” afirmou à margem da apresentação, em Lisboa, de uma biografia do antigo Presidente Mário Soares.

Para Freitas do Amaral, a mudança de Governo era uma “solução bem melhor” do que Portugal continuar como está, “sem esperança nenhuma de melhorar ou ir para eleições sem esperança nenhuma de ter um Governo maioritário”.

“O ministro das Finanças, se não sair ao mesmo tempo que o primeiro-ministro, vai sair antes dele. Falhou tudo, falhou tudo. Foi apresentado como o tecnocrata que não falhava as suas previsões, com grande competência técnica. Falhou a sua missão”, sublinhou o antigo político.

Freitas do Amaral confia que o Presidente da República pode não ter de entrar em ação, uma vez que já existem “cidadãos, comunicação social, partidos, manifestantes de rua e outras instituições da sociedade civil”.

Sobre as “apostas frustradas” de Gaspar, o fundador do CDS destaca que é preciso “tirar dai as suas ilações: ou então estamos a brincar às democracias”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Francisco Pedro Balsemão, CEO do grupo Impresa. Foto: DR

Impresa.Reestruturação já atingiu 20 trabalhadores. E chegou ao Expresso

PCP

Subsídios por duodécimos no privado também acabam em 2018

Turistas no novo terminal de cruzeiros de Lisboa, Santa Apolónia. Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Instituto alemão prevê boom na construção em Portugal até 2020

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
Freitas do Amaral defende novo Primeiro-ministro