Função Pública

Frente Comum: só estão previstas admissões na Educação e na Saúde

Ana Avoila da Frente Comum. Fotografia: Direitos Reservados
Ana Avoila da Frente Comum. Fotografia: Direitos Reservados

A abertura a novas admissões na administração pública só está prevista nas áreas da Educação e da Saúde, disse a dirigente da Frente Comum.

Educação e Saúde são as únicas áreas onde o governo admite admitir novos trabalhadores, referiu esta quarta-feira a dirigente da Frente Comum de Sindicatos, Ana Avoila, sublinhando as “nefastas” consequências da falta de pessoal em outras áreas.

A dirigente sindical falava aos jornalistas à saída de uma reunião no Ministério das Finanças, em Lisboa, com a secretária de Estado do Emprego Público, Fátima Fonseca, sobre a política de admissões no Estado.

Ana Avoila disse que “nada de concreto” foi apresentado durante o encontro com a governante, apenas “intenções”.

“Fomos chamados no âmbito de um calendário negocial já aprovado para discutir a matéria de admissões, que já estava discutida há muito e cujas consequências da falta de pessoal estão a ser nefastas, nomeadamente na educação e na saúde”, afirmou a sindicalista.

“O que nos informaram é que vão abrir concursos na área da educação e na saúde. Na educação estão previstas 1.200 admissões”, acrescentou Ana Avoila, que disse não ter números para a Saúde.

Em relação a contratações em outros setores da administração pública, “não há mais nada”, afirmou a dirigente da Frente Comum, referindo que na Segurança Social, na Cultura ou na Administração Interna “há muita falta de pessoal”.

Sobre as outras matérias, como o descongelamento de carreiras faseado ou aumentos salariais, “não há nada de novo, nem boas notícias para os trabalhadores”, que “vão passar o Natal com o que foi aprovado no Orçamento do Estado”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Não conseguiu validar as faturas para o IRS? Contribuintes têm mais um dia

O ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação das obras de arte da coleção BPN, agora integradas na Coleção do Estado, no Forte de Sacavém. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Fundo de Resolução já pagou em juros 530 milhões ao Estado e 90 milhões a bancos

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Venda do Novo Banco é “um não-assunto” para o Fundo de Resolução

Frente Comum: só estão previstas admissões na Educação e na Saúde