refugiados

Fundação ‘La Caixa’ financia 50 bolsas de estudo para estudantes sírios

(Diana Quintela / Global Imagens)
(Diana Quintela / Global Imagens)

Com estas bolsas de estudo, os 50 estudantes sírios vão poder completar as suas licenciaturas e mestrados.

A APGES – Plataforma Global de Apoio a Estudantes Sírios e a Fundação ‘La Caixa’ assinaram um Acordo de Cooperação para criar 50 bolsas de bolsas de estudo para o ensino superior destinadas a jovens sírios. A fundação bancária contribuiu com 710.000 euros as bolsas de dois anos, que vão cobrir as despesas de alojamento, alimentação e outros gastos, bem como outras atividades académicas.

Os 25 homens e as 25 mulheres sírios vão estudar em universidades portuguesas, e pelo menos cinco dos selecionados prosseguirão os seus estudos de licenciatura ou pós-graduação em universidades espanholas.

O Programa de Bolsas Universitárias a Estudantes Sírios foi apresentado esta quinta-feira na Casa do Regalo, em Lisboa, com a presença de Jorge Sampaio, presidente da Plataforma Global para Estudantes Sírios, do presidente honorário do BPI, Artur Santos Silva, e do diretor Corporativo de Território e Centros da Fundação “La Caixa”, Rafael Chueca.

A Plataforma Global para Estudantes Sírios é uma organização sem fins lucrativos fundada em novembro de 2013 pelo ex-Presidente da República Português, Jorge Sampaio, com o apoio do Conselho da Europa, a Liga Árabe, a Organização Internacional para as Migrações (OIM), o Instituto de Educação Internacional (IIE), a Carnegie Corporation de Nova Iorque e a Fundação Calouste Gulbenkian, entre outras.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Paulo Azevedo, Chairman e Co-CEO da Sonae, e Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae.

(Leonel de Castro / Global Imagens)

Sonae SPGS com lucros de 200 milhões até setembro

Veículos estacionados no porto de Setúbal, durante a greve dos estivadores precários, em Setúbal, 14 de novembro de 2018. Em causa está um diferendo laboral desencadeado por um grupo de estivadores precários e a empresa de trabalho portuário Operestiva, que afeta várias empresas, entre as quais a Autoeuropa. ANDRÉ AREIAS/LUSA

Setúbal: Operestiva disposta a negociar se estivadores voltarem ao trabalho

Primeira-ministra Theresa May, 14 de novembro de 2018. EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Brexit: May consegue apoio do Governo e aprova rascunho do acordo final

Outros conteúdos GMG
Fundação ‘La Caixa’ financia 50 bolsas de estudo para estudantes sírios