Ambiente

Fundo Ambiental atribui 600 mil euros para eventos que queiram ser mais verdes

(Álvaro Isidoro / Global Imagens )
(Álvaro Isidoro / Global Imagens )

Festivais de música e, pela primeira vez, provas de atletismo com mais medidas ambientais

Quarenta eventos portugueses de cultura e desporto, entre os quais festivais de música e, pela primeira vez provas de atletismo, vão receber apoio financeiro para serem mais sustentáveis e ecológicos, através do programa Sê-Lo Verde.

Os promotores de eventos abrangidos pela terceira edição do programa Sê-Lo Verde, do Fundo Ambiental, assinam hoje contrato no Porto com a presença do ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Matos Fernandes.

Nesta terceira edição, o Sê-lo Verde vai apoiar, com cerca de 600 mil euros, 40 candidaturas e 88 medidas de sustentabilidade ambiental, com destaque para a inclusão de provas de atletismo, como a Meia Maratona do Porto, o Leiria Run e o Ultra Trilhos Rocha da Pena, no Algarve.

Entre os eventos culturais, o que obteve a maior fatia de financiamento – 43.780 euros – foi o festival Meo Marés Vivas, marcado para julho, em Vila Nova de Gaia, que aplicará a verba em quatro medidas, entre as quais a colocação de casas de banho ligadas à rede pública de saneamento.

Entre os festivais de grandes dimensões, destaque ainda para o NOS Alive (Algés), que obterá 33,9 mil euros para a implementação de três medidas, entre as quais a realização de um estudo de impacto ambiental sobre o que o evento tem feito nesta área.

Os festivais Paredes de Coura, NOS Primavera Sound (que aconteceu este fim de semana no Porto), a Expofacic (Cantanhede), o EDP Vilar de Mouros (Caminha), o NeoPop (Viana do Castelo), o Gerês Rock Fest e Vagos Metal Fest (Aveiro) também são contemplados nesta terceira edição.

O Programa Sê-Lo Verde é uma iniciativa do Ministério do Ambiente e da Transição Energética através do Fundo Ambiental, com o objetivo de “incentivar a adoção de boas-práticas ambientais, inovadoras e com impacte ambiental, social e económico nos grandes eventos”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Fundo Ambiental atribui 600 mil euros para eventos que queiram ser mais verdes