Clima

G20 quer que Acordo de Paris entre em vigor em breve

Os membros do G20 concordaram em "realizar esforços" para que o Acordo de Paris contra as alterações climáticas "entre rapidamente em vigor".

Os países membros do G20 concordaram hoje em “realizar esforços” para que o Acordo de Paris contra as alterações climáticas (COP21) “entre rapidamente em vigor e seja implementado”, anunciou o Presidente chinês, Xi Jinping.

O anúncio de Xi, feito no encerramento da cimeira do G20, que se realizou na cidade chinesa de Hangzhou, surge após China e EUA terem ratificado este fim de semana o COP21.

O Acordo de Paris deverá substituir o Protocolo de Quioto a partir de 2020, mas a sua entrada em vigor depende do apoio de pelo menos 55 países, que no conjunto representem 55% das emissões de gases com efeito de estufa.

China e EUA representam 38% do conjunto mundial de emissões de gases poluentes, pelo que a ratificação de Pequim e Washington torna viável que o COP21 entre em vigor a curto prazo.

Na véspera da cimeira do G20, o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, disse sentir-se “otimista”, sobre a possibilidade de o acordo se tornar vinculativo já este ano.

O Presidente francês, François Hollande, um dos principais impulsionadores do COP21, afirmou que o seu principal objetivo é “fazer com que [o acordo] seja ratificado o mais rapidamente possível”.

Já o Presidente do Brasil, Michel Temer, confirmou em Hangzhou que formalizará brevemente o compromisso.

Xi Jinping apontou hoje que o acordo, que mereceu o apoio das principais economias desenvolvidas e emergentes, é um sinal de que o “G20 pertence não só aos países-membros, mas a todo o planeta”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

G20 quer que Acordo de Paris entre em vigor em breve