Turismo

Turistas? Não, obrigado. Europa defende-se contra os excessos

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Nas últimas semanas, o movimento anti-turismo tem-se alastrado a outras localidades espanholas.

Em Barcelona a palavra do momento é “turismofobia”. Nos últimos meses, um grupo de jovens ligado a um movimento que defende a independência da Catalunha tem praticado atos de vandalismo contra hotéis, autocarros turísticos e bicicletas de aluguer.

A organização Arran protesta contra a massificação do turismo e a gentrificação, argumentando que o excesso de visitantes está a destruir a identidade dos bairros típicos de Barcelona. “O turismo em massa mata os bairros, destrói o território e condena à miséria a classe trabalhadora”, lê-se numa mensagem deixada pelo grupo no Facebook.


Em Barcelona, as queixas não são novas. A cidade, que tem 1,6 milhões de habitantes, recebeu no ano passado 32 milhões de visitantes. Mas os protestos estão a ganhar dimensão. A pressão é tanta que as autoridades estão a estudar novas formas de atenuar os problemas. Está já em cima da mesa a criação de uma taxa sobre os visitantes que ficam apenas um dia na cidade, que será cobrada aos operadores que transportem os visitantes de passagem.

A medida junta-se a outras já em vigor. Desde o início do ano, os passageiros dos cruzeiros que aportam na cidade, quer pernoitem ou não, pagam uma taxa. Em 2016, os portos de Barcelona receberam cerca de 750 cruzeiros.

Este ano já foram também congeladas as licenças para a construção de novos hotéis e foi suspensa a emissão de licenças para apartamentos turísticos, entre outras medidas.

Nas últimas semanas, o movimento anti-turismo tem-se alastrado a outras localidades espanholas. Para o dia 17 de agosto está convocada uma manifestação contra o turismo em San Sebastián, no País Basco, onde também já está a ser preparada uma lei para limitar a proliferação de hotéis. Em Palma de Maiorca, os protestos também começam a fazer-se ouvir.

O turismo representa 11% do PIB espanhol e cerca de 13% do emprego do país. No primeiro semestre, Espanha recebeu perto de 37 milhões de turistas, que gastaram mais de 32,2 mil milhões de euros, mais 15% face ao período homólogo. Na Catalunha, o setor representa 12% da riqueza.

Mediterrâneo a transbordar

Mas não é só no país vizinho que o elevado número de turistas está a deixar os locais à beira de um ataque de nervos. Nos últimos dois anos, o sul da Europa, com Portugal incluído no lote, tem vivido um autêntico boom turístico, devido aos conflitos em países como a Turquia ou o Egipto.

Em Itália, os canais de Veneza são a imagem da saturação. Cerca de 20 milhões de turistas visitam a cidade todos os anos. A Unesco já avisou que os monumentos históricos podem não sobreviver se o ritmo se mantiver nos próximos anos.

Face aos protestos dos poucos habitantes que restam, cerca de 50 mil, as autoridades decidiram proibir a abertura de mais restaurantes de fast food, numa tentativa de preservar as tradições da cidade. Está ainda a ser estudada a limitação do número de acesso diários ao centro histórico.

Em Roma, foi reforçada a vigilância no centro histórico e endurecida a política de multas para quem mergulhar nas fontes públicas. Também está a ser estudada a limitação do número de visitantes diários a locais emblemáticos, como a Fonte de Trevi.

A enchente de visitantes também já chegou à Croácia. Na pequena cidade de Dubrovnik, está a ser estudada a hipótese de limitar a entrada diária de cruzeiros. Atualmente, podem atracar cinco navios por dia, mas as autoridades querem reduzir para dois. O centro histórico de Dubrovnik acolheu mais de um milhão de turistas no ano passado. O turismo na Croácia aumentou 10,5% no ano passado face ao mesmo período de 2016.

Os protestos contra o turismo em massa ainda não chegaram a Portugal, mas em Lisboa já se tomam medidas. No final de julho, a Câmara da capital anunciou que os autocarros turísticos com mais de nove lugares estão proibidos de circular nos acessos à Sé e ao Castelo.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ilustração: Vítor Higgs

Indústria têxtil em força na principal feira de Saúde na Alemanha

O Ministro das Finanças, João Leão. EPA/MANUEL DE ALMEIDA

Nova dívida da pandemia custa metade da média em 2019

spacex-lanca-com-sucesso-e-pela-primeira-vez-a-nave-crew-dragon-para-a-nasa

SpaceX lança 57 satélites para criar rede mundial de Internet de alta velocidade

Turistas? Não, obrigado. Europa defende-se contra os excessos