Imobiliário

Apartamento de 16m² em Lisboa à venda por 150 mil euros

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Os imóveis nas zonas históricas de Lisboa estão a atrair cada vez mais investidores, principalmente estrangeiros.

“Pequeno no tamanho, grande no rendimento”. Este é o slogan que acompanha o anúncio de um imóvel de 16 metros quadrados, à venda por 150 mil euros, no coração de Alfama.

O imóvel, que está no mercado há dois meses, está remodelado, equipado e mobilado. O único senão é ter a cama na cozinha, ou a cozinha no quarto. “Já houve duas propostas para fechar negócio, com clientes estrangeiros, um deles francês. Não se chegou a acordo porque havia intermediários no meio e a comissão estava a atingir os 10%, o que é absurdo”, conta ao Dinheiro Vivo Ovídio Rodrigues, agente da Century 21, responsável pela venda da casa.

Este não é caso único. No início do ano Ovídio vendeu, perto da mesma zona, um apartamento de 30 metros quadrados por 200 mil euros a um mexicano. “Estas casas vendem-se com alguma facilidade porque quem os compra quer fazer alojamento local ou quer ter uma pequena casa no coração de Lisboa”, explica.

O aumento dos preços dos imóveis na zona de Lisboa não tem demovido os compradores de fechar negócio, principalmente em zonas históricas como Alfama, Bairro Alto ou Mouraria, que seduzem muito o público estrangeiro, atesta o agente imobiliário.

Mas também os portugueses estão ativos na corrida desenfreada ao metro quadrado inflacionado. “Há dois anos não conseguia vender um T2 nas Olaias, perto de um bairro social, na Quinta do Lavrado, por mais de 115 mil euros. Hoje tenho o mesmo apartamento à venda por 180 mil euros e querem comprá-lo sem sequer o ver”, conclui Olívio.

Veja na fotogaleria as fotografias deste T0 em Alfama.

 

 

 

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Vieira da Silva  (A. LOPES/LUSA)

Percentagem de trabalhadores com salário mínimo recuou no 2º trimestre

Giuseppe Conte, o primeiro-ministro italiano. Fotografia: REUTERS/Alessandro Bianchi

FMI avisa Itália para impacto negativo de orçamento expansionista

Dominic Raab, secretário de Estado para a saída da União Europeia, à direita. Londres, 13 de novembro de 2018. EPA/NEIL HALL

Brexit: Reino Unido e UE chegam finalmente a acordo

Outros conteúdos GMG
Apartamento de 16m² em Lisboa à venda por 150 mil euros