Imobiliário

Armazéns de vinho Porto renascem como empreendimento de luxo

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

The Rebello é o novo projeto que está a nascer em Gaia. Apartamentos são para venda, mas os proprietários poderão cedê-los para exploração turística

Está a nascer no Cais de Gaia, paredes meias com o rio Douro e uma vista ímpar sobre a cidade do Porto, um novo projeto imobiliário que tem tanto de habitação como de turismo.

Na mão da Consultan, a consultora que trouxe do Brasil conceitos como empreendimento fechado ou Loft, o novo projeto The Rebello assenta na requalificação de seis antigos armazéns de vinho do Porto para os transformar em 106 apartamentos de luxo.

As obras arrancam no próximo mês e pretendem manter o essencial das antigas fachadas e armazéns que ali se instalaram no século 18. Mas quando estiver pronto,vai ser mais do que um simples prédio de habitação. Quem comprar estes imóveis terá a possibilidade de assinar um contrato de exploração turística para que, em parte do ano, possam transformar-se em parte de um hotel, adiantou ao Dinheiro Vivo, Guilherme Grossman, da Consultan, que está a cargo do projeto.

“Estamos a trabalhar em alguns projetos grandes no Porto, numa primeira fase, tudo projetos voltados para investidores. Um deles é o The Rebello, que é em cima do rio Douro, ao lado das Caves do vinho do Porto, muito central. São apartamentos com rentabilidade associada e muitos investidores que estão a comprar através do Golden Visa estão a procurar-nos”, adiantou Grossman ao Dinheiro Vivo.

Dos 106 apartamentos, 46 ficam de fora do modelo hoteleiro, sendo os restantes 60 apartamentos disponibilizados para exploração turística. Esta abertura a turistas insere-se num modelo de exploração que será gerido pelo BomPorto Hotéis, à semelhança do que já acontece, em Lisboa, com o projeto The Lumiares. Os apartamentos que entrem neste modelo recebem um serviço de manutenção associado a esta prestação de serviços e terão os seus apartamentos decorados pelo gestor hoteleiro.

A rentabilidade prometida para esta modalidade é de 4% ao ano durante 3 anos e, ao fim do quarto ano, será oferecido um rendimento proporcional à ocupação do apartamento, e que se estima em torno dos 6%.

“Acho que vai ter um sucesso muito grande. É um projeto voltado especialmente para o mercado internacional, apesar de também já haver portugueses interessados por causa da rentabilidade, disse Guilherme Grossman, adiantando que “já se está a fazer um soft selling e dentro de um mês ou dois arranca a venda direta”.

A expectativa é que as primeiras casas comecem a ser habitadas em 2021. Os preços de venda começam nos 220 mil euros.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Armazéns de vinho Porto renascem como empreendimento de luxo