Comércio

Comércio de rua está a crescer nos bairros residenciais de Lisboa

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Campo de Ourique e Alvalade são os bairros lisboetas mais procurados para abrir novos comércios. No Porto é Santa Catarina, Flores e Mouzinho

Campo de Ourique e Alvalade são os bairros lisboetas cada vez mais procurados para abrir novos comércios de rua, conceitos novos direcionados ao dia a dia dos seus residentes, refere um estudo da JLL “Portugal Market Pulse” do 1º trimestre 2017.

“São ambas zonas residenciais maduras, que sempre tiveram uma vida de bairro muito dinâmica. As pessoas continuam a viver muito a rua nestes dois bairros e, numa altura em que há uma crescente tendência para o consumo de proximidade, são muitos os retalhistas que percebem o potencial destas zonas e têm vindo a instalar-se aqui, complementando o comércio tradicional que já existe e contribuindo para a sua modernização”, comenta Patrícia Araújo, Head of Retail da JLL Portugal.

De acordo com a JLL, além de áreas mais dinâmicas como a restauração, comércio de frescos e retalho alimentar, nestes dois bairros há também cada vez mais lojas, novas ou remodeladas, que representam uma novidade em termos de espaço, oferta ou experiência, sendo este fator de novidade um forte atrativo do comércio local.

É o caso de Campo de Ourique, onde o renovado mercado funciona como âncora, com os produtos gourmet a coabitar com os tradicionais, transformando uma ida ao local numa experiência interessante. Com comércio de conveniência, vestuário e decoração a predominar na oferta existente, este é um bairro de densidade residencial muito significativa e muito direcionado para primeira habitação das famílias portuguesas, apresentando uma oferta residencial de gama média-alta com preços entre os 3.000 e os 5.500 euro/m2, apura ainda o estudo da JLL.

Em Alvalade, na zona das Avenidas Novas, o comércio é bastante abundante, com diversas lojas de conveniência e restauração. O conforto, o fácil acesso e a própria morfologia da zona – com ruas planas e fáceis de caminhar – favorecem o convívio e o fluxo de consumidores. Igualmente uma zona residencial madura, Alvalade é também um bairro familiar de primeira habitação, com uma oferta de casas de gama média-alta.

No seu estudo referente à performance do mercado imobiliário no 1º trimestre de 2017, a consultora dá ainda conta de que as principais zonas de comércio de rua de Lisboa e Porto continuam a beneficiar do crescimento do turismo.

Na capital, nos principais eixos do Chiado e da Baixa, a procura mantém-se superior à oferta de espaços, causando alguma pressão nas rendas especialmente no primeiro caso. No Chiado, as rendas prime das lojas de rua subiram cerca de 8% no 1º trimestre de 2017 (para os 130 euros/m2/mês) face ao mesmo período do ano passado.

Na Baixa, mantêm-se nos 90 euros/m2/mês, valor igualmente registado na avenida da Liberdade, onde as rendas também estabilizaram nesse período. Neste eixo, sobretudo focado no mercado de luxo, a JLL refere que a procura de espaços não abrandou, embora esteja mais direcionada para os espaços de pequena/média dimensão, quando a maioria dos espaços disponíveis são de grande/média dimensão.

O Cais do Sodré e o Príncipe Real mantêm-se também muito procurados para a instalação de lojas, especialmente por novos conceitos de restauração. Nestes dois eixos, as rendas mantiveram-se estáveis, respetivamente, nos 35 euros/m2/mês e 40 euros/m2/mês.

Porto

No Porto, a Baixa é a zona de maior interesse, com especial destaque para a rua da Santa Catarina, que continua a registar grande procura por parte dos retalhistas mass market. Nesta zona, a renda prime no 1º trimestre de 2017 atingiu os 60 euros/m2/mês, evidenciando uma subida de cerca de 20% face ao mesmo período do ano anterior.

Ainda no Porto, o estudo destaca o eixo Flores-Mouzinho, com uma procura crescente por conceitos mais alternativos; e da Avenida dos Aliados, que começa a despertar o interesse dos retalhistas e onde está a surgir oferta de produto de qualidade.

O Portugal Market Pulse é um relatório trimestral produzido pela JLL, onde a consultora analisa o desempenho do mercado imobiliário português, com foco nos segmentos de escritórios e retalho, habitação e hotelaria, além do investimento.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A administradora delegada da Media Capital, Rosa Cullell (E), acomapnhada pelo CEO da Altice Media, Alain Weill (2-E), do CEO do Grupo Altice, Michel Combes (2-D), e do Chairman e CEO da Portugal Telecom, Paulo Neves (D), fala durante uma conferência de imprensa sobre a compra da Altice sobre o grupo Media Capital,. Fotografia: ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Compra da TVI pelo Meo pode “criar entraves significativos à concorrência”

O ministro das Finanças, Mário Centeno (E), acompanhado por Carlos Tavares (D), antigo presidente da CMVM, durante a sessão de apresentação pública do relatório do Grupo de Trabalho para a Reforma do Modelo de Supervisão Financeira. (ANDRÉ KOSTERS/LUSA)

Belém e Parlamento terão de validar novo governador do Banco de Portugal

Cristina Casalinho, presidente do IGCP. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens

Casalinho quer alongar pagamento da dívida para evitar picos de reembolsos

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Comércio de rua está a crescer nos bairros residenciais de Lisboa