Tecnologia

Competição desafia os mais novos a criarem ‘apps’ que mudem o mundo

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Apps for Good coloca alunos a desenvolver soluções para problemas reais. Iniciativa conta com a participação de 150 equipas.

Têm entre oito e 18 anos. À sua frente está um júri e em apenas três minutos devem apresentar a sua ideia. São crianças e jovens que aceitaram o desafio para desenvolver uma aplicação móvel que resolva problemas reais.

O terceiro Encontro Regional do Apps for Good decorreu esta terça-feira na Escola Secundária Sebastião e Silva, em Oeiras. Mais de 60 equipas tiveram a oportunidade de fazer um pitch de três minutos para um júri e apresentar a sua ideia ao público num marketplace.

“O objetivo do Apps for Good é desenvolver aplicações para smartphones e tablets que possam contribuir para a resolução de problemas relacionados com a sustentabilidade”, conta João Baracho, diretor executivo da CDI Portugal, responsável pelo lançamento do programa.

A operacionalização do programa decorreu durante o ano letivo, onde professores das mais diversas áreas disciplinares e alunos têm acesso a conteúdos com uma metodologia de projeto de cinco passos.

Os projetos enquadram-se nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Desde soluções no âmbito da educação de qualidade até à paz, justiça e instituições eficazes, passando ainda pelas cidades e comunidades sustentáveis ou pela redução das desigualdades. Os objetivos são apenas 17, mas a criatividade leva os mais novos a voar bem alto.

Decorreu esta tarde na Escola Secundária Sebastião e Silva, o encontro Regional da 5ª Edição do Apps for Good. (Filipe Amorim / Global Imagens)

Decorreu esta tarde na Escola Secundária Sebastião e Silva, o encontro Regional da 5ª Edição do Apps for Good.
(Filipe Amorim / Global Imagens)

É o caso da “Color You”, uma aplicação desenvolvida por alunos do Instituto dos Pupilos do Exército, que pretende ser uma ferramenta de integração para as pessoas daltónicas, divulgando o alfabeto das cores desenvolvido pela ColorADD. “Pretendemos ainda habilitar a app com informação dos vários tipos de daltonismo, bem como testes de despiste e ainda a introdução de um conjunto de curiosidades ligadas à forma como os daltónicos veem e interagem com o mundo”, explica a equipa. A “Color You” é uma das 10 finalistas deste encontro e também a vencedora do prémio do público. Vai marcar presença no evento final, a 13 de setembro, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

A grande vencedora, de entre 22 equipas finalistas – apuradas nos quatro encontros regionais (Valongo, Oeiras, Açores e Madeira) -, terá a oportunidade de apresentar a sua ideia em Londres, no evento final da competição do Reino Unido, país onde nasceu o programa.

“A experiência foi espetacular”, diz Carolina Castro, de 18 anos, membro da equipa vencedora do ano passado. A equipa da Escola Secundária Quinta do Marquês desenvolveu uma aplicação que explica de forma interativa a obra “O ano da morte de Ricardo Reis”. “O ano passado foi o primeiro ano em que tínhamos de ler obrigatoriamente ‘O ano da morte de Ricardo Reis’, de José Saramago. Então decidimos criar uma aplicação que fizesse roteiros por Lisboa e que explicasse o livro de uma forma mais interativa e mais imersiva aos alunos e que ajudasse também no estudo da obra”. Um ano depois, Carolina espera conseguir a ajuda de parceiros para aplicar a ideia a outras obras.

“Há dois anos, levámos a Londres uma solução de realidade aumentada e houve vários contactos de empresas com potencial interesse”, aponta João Baracho. “Em Londres, tivemos parceiros como a administração do Facebook, Spotify e Netflix”.

Oeiras, 02/07/2019 - Decorreu esta tarde na Escola Secundária Sebastião e Silva, o encontro Regional da 5ª Edição do Apps for Good. (Filipe Amorim / Global Imagens)

Decorreu esta tarde na Escola Secundária Sebastião e Silva, o encontro Regional da 5ª Edição do Apps for Good.
(Filipe Amorim / Global Imagens)

As equipas só podem participar uma vez, mas quem não ganha não deve deixar morrer o seu projeto. Para isso, a CDI promove outra iniciativa, a App Startup, onde todas as equipas que já participaram na competição são convidadas a apresentar a sua ideia “num contexto mais profissional”, conta João Baracho. “E já não é um concurso. Vão lá, apresentam-se e se houver pessoas disponíveis para financiar, financiam. No ano passado fizemos na Futurália e tivemos duas aplicações que foram financiadas, uma delas desenvolvida por miúdos de nove anos é para facilitar a leitura, a ABC Play”, destaca.

Este ano, a App Startup vai decorrer a 22 de outubro no Digital Summit. “Fomos convidados e aceitámos logo porque os miúdos vão estar a fazer a apresentação das apps deles no meio dos grandes profissionais do e-commerce e da tecnologia a nível mundial”, conta o responsável da CDI Portugal.

A Apps for Good vai já na sexta edição em Portugal. João Baracho refere que espera desenvolver um piloto ibérico já no ano que vem.

Finalistas do Encontro Regional de Oeiras
– Color You – Instituto dos Pupilos do Exército
– InvasorasCV – Escola Secundária com 3º Ciclo D. Dinis
– Unsee Notes – Agrupamento de Escolas Amadora Oeste
– Make it Easy – Agrupamento de Escolas Rafael Bordalo Pinheiro
– AEEG Alugin – Escola Secundária de Sacavém
– Clean City – Agrupamento de Escolas Dr. Ginestal Machado
– RescuePets – Agrupamento de Escolas de Saboia nº1
– Institut Care – International School of Palmela
– Eco A – Salesianos do Estoril
– Jonhy Aprende – Salesianos do Estoril

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Competição desafia os mais novos a criarem ‘apps’ que mudem o mundo