Tecnologia

Continental. Gigante automóvel mostra-nos a mobilidade em 2030

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Multinacional fornece peças para todas as marcas do planeta. Estivemos no seu TechShow para ver as soluções de mobilidade elétrica, partilhada e autónoma para rivalizar com a “pioneira” Tesla. Na fotogaleria pode ver ilustrações sobre algumas soluções para a cidade do futuro.

Para muitos o nome Continental é sinónimo de pneus. Mas o que ficámos a conhecer em Hanover, na Alemanha, no evento TechShow, vai além da borracha que ajuda 1,4 mil milhões de veículos a movimentarem-se no planeta Terra. Atualmente só 30% do negócio da Continental vem dos pneus (tem uma fábrica em Portugal), o resto são peças variadas de eletrónica, para o motor, assistência à condução ou para o sistema de infoentretenimento.

A empresa está a investir forte (não diz quanto) em tecnologia para uma mobilidade partilhada, autónoma e elétrica e sem acidentes em 2030, para a qual conta com a inteligência artificial, “que está a revolucionar a forma como interagimos com os nossos veículos” e que irá permitir que o passageiro se dedique a outras atividades, que não conduzir.

“Fornecemos peças para todas as marcas de automóveis, numas mais, noutras menos”, explica-nos Ralph Lauxmann, o vice presidente de tecnologia da empresa criada em 1871 e que no último ano gerou 44,4 mil milhões em receitas e emprega já 245 mil pessoas em 60 países. Lembra também que a Continental foi o primeiro fornecedor da indústria automóvel a nível mundial a conseguir uma licença para testes de veículos autónomos em estradas públicas nos EUA já em 2012. Lauxmann vê a colaboração e troca de conhecimentos e de dados obtidos que existe atualmente entre fornecedores e fabricantes de automóveis “um bom sinal para evoluirmos rápido e no bom caminho” e elogia a Tesla de Elon Musk, “que tem sido pioneira na mudança”.

E que soluções vimos no TechShow da Continental?

A empresa mostrou um sistema para cruzamentos que tem já está em teste nos EUA, onde coloca vários sensores, câmaras e radares, dos semáforos aos postos de iluminação que analisam tudo o que mexe na estrada e no passeio e comunicam com os veículos em tempo real para os avisar de algo que possam não estar a ver. O Vehicle to Grid (V2G) informa o veículo, por exemplo, de um peão que avançou para a estrada quando estava vermelho, permitindo que o condutor ou o sistema autónomo do carro pare e evite o atropelamento.

Continental_PP_Intelligent_Intersection_with_CUbE

No caso concreto dos postos de iluminação, a Continental mostrou o Intelligent Street Lamp (ISL), que permitirá diminuir a luz quando não há trânsito ou aumentá-la quando há um objeto caído na estrada – podendo inclusive alertar o automóvel para a sua existência, ou dar também a indicação ao ecossistema de uma cidade (e aos veículos em geral) de lugares de estacionamento disponíveis. A empresa também admite colocar antenas 5G neste tipo de postos, até porque essa tecnologia precisa de mais antenas do que o 4G. No caso de mobilidade elétrica, têm já soluções, inclusive no Carro do Ano de 2019, o Jaguar I-Pace, para o qual fornece o inversor do motor elétrico.

Nesse domínio, têm uma solução de sistema elétrico completo chamado EMR3 (que já vendeu a uma marca que não diz qual é) e terá versões de 120 kW (163 cv) e 150 kW (204 cv). Nos modelos totalmente autónomos, a empresa dá poder autónomo ao Cube, um pequeno autocarro-robô feito pela Ligier que não dá mais do que 20 km/h e está em testes na Suécia, Frankfurt, Japão, China e Singapura.

Em destaque também no evento também teve um protótipo que tinha sido terminado na véspera, que usa um sistema híbrido a 48V, que visa alimentar um motor elétrico, mais compacto (para modelos pequenos), mas mais potente e pensado para veículos de ligar à tomada (PHEV) onde o espaço não abunda.

Lauxmann admite que a Continental conta com parceria com a Nvidia (especialista em chips e processadores) para a inteligência artificial e comprou em 2017 a startup de cibersegurança israelita Argus para garantir que os hackers não entram nos ecossistemas da marca.

Tendências que vão mudar a forma como vivemos nas cidades

No futuro será bem mais fácil e agradável viver nas cidades. A Continental reuniu um conjunto de 220 tendências para o futuro e, com elas, imaginou soluções que uma cidade em 2030 deve ter. Em primeiro lugar, é preciso que os decisores políticos comecem a adaptar já as cidades para as novas soluções. A transformação que está a acontecer vai permitir “não ter acidentes na estrada nos próximos 20 anos”, diz a empresa, mas isso depende de um processo de mudança profunda assente em três pilares onde a mobilidade partilhada e conectada, autónoma e elétrica irá estar dependente da tecnologia nos veículos mas também fora deles.

As respostas para 2030 envolvem drones que levam pessoas ou alimentam a agricultura, robôs e veículos variados de tamanhos diferentes, que podem levar 10 pessoas ou apenas uma (a chamada micromobilidade), carregamentos de elétricos sem fios.

A ideia é a de uma mobilidade sem esforço onde os robôs táxi são peça fundamental da engrenagem. “Compensa investir em mobilidade partilhada, porque os centros das cidades já estão cheios e isso permite acabar com os problemas de estacionamento”, até porque com veículos robô partilhadas vamos poder usar o espaço de estacionamento para outras coisas, incluindo fazer novas casas, algo que já se viu em Paris.

Os carros autónomos vão começar a ser implementados na mobilidade partilhada e só depois nos carros privados, acredita a Continental, que diz ainda que fará sentido ver o centro das cidades com apenas veículos autónomos partilhados. A empresa garante que até 2023 já haverão carros autónomos a funcionar sem ser em testes e que em breve irá lançar sistemas que nos vão ligar aos nossos carros, que vão perceber como nos sentimos e se estamos atentos ou em condições de conduzir.

 

 

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, discursa durante a apresentação do Simplex’20-21. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Costa: “Não podemos voltar a repetir o confinamento”

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão. Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Leão admite Orçamento Retificativo no final do ano. Para já não vê necessidade

Fotografia: D.R.

Novo crédito ao consumo afunda 56% em maio

Continental. Gigante automóvel mostra-nos a mobilidade em 2030