Ranking Forbes

Tecnologia, roupa de luxo e maquilhagem: quem são os mais ricos do mundo em 2019

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Em 2019 o número de multimilionários, e o valor das suas fortunas, caiu. Jeff Bezos continua a ser o mais rico do mundo.

Pelo segundo ano consecutivo, o chefe da Amazon leva a coroa. De acordo com o ranking das pessoas mais ricas do mundo, publicado esta quarta-feira pela revista Forbes, a fortuna de Jeff Bezos, avaliada em 131 mil milhões de euros, é a maior do planeta.

No próximo ano poderá já não ser assim, já que Bezos está a meio de um processo de divórcio com MacKenzie Bezos. Os termos da separação ainda não são conhecidos, mas é expectável que a fortuna seja partida ao meio. Jeff Bezos é CEO da Amazon e detém 16% das ações da gigante tecnológica, que em 2018 registou um lucro líquido superior a 10 mil milhões de dólares.

Em segundo lugar surge outro rosto já habitual na lista da Forbes, que foi o campeão em título durante 12 anos. Bill Gates tem hoje uma fortuna avaliada em 96,5 mil milhões de dólares. O fundador da Microsoft mantém apenas 1% das ações da tecnológica e dedica-se sobretudo à Fundação Bill & Melinda Gates.

O último lugar do pódio é ocupado por Warren Buffet, que gere uma fortuna avaliada em 82,5 mil milhões de dólares. O “Oráculo de Omaha”, como é conhecido, lidera a Berkshire Hathaway, detentora de mais de 60 empresas. No ano passado fez uma doação de 3,4 mil milhões de dólares à fundação de Bill e Melinda Gates.

A quarta posição da lista pertence, à semelhança do ano passado, a Bernard Arnault, o líder do maior império de bens de luxo do mundo, a LVMH, que detém marcas como a Louis Vuitton ou a Sephora. A fortuna de Arnault está avaliada em 76 mil milhões de dólares, graças em parte às vendas e lucros recorde registadas pelo grupo em 2018.

No top dez das maiores fortunas do mundo não faltam nomes ligados à tecnologia como Larry Ellison (7º), um dos fundadores da Oracle, Mark Zuckerberg (8º), fundador do Facebook, e Larry Page (10º), um dos fundadores da Google.

O multimilionário mexicano Carlos Slim, líder da maior empresa de telecomunicações da América latina, o fundador da Zara e líder da Inditex, Amancio Ortega, e o ex-mayor de Nova Iorque Michael Bloomberg completam o top 10.

Kylie Jenner 3

Entre os destaques da edição deste ano do ranking da Forbes estão os multimilionários mais jovens do mundo. A lista é liderada por Kylie Jenner, de 21 anos, que fundou a Kylie Cosmetics. A fortuna da irmã mais nova de Kim Kardashian ultrapassou a barreira dos mil milhões de dólares graças ao sucesso dos seus kits de maquilhagem. A Forbes considera-a também a mais jovem milionária cuja fortuna não foi herdada mas construída pela própria.

Já a primeira mulher da lista surge em 15º lugar, e graças a uma fortuna herdada. Françoise Bettencourt Meyers é filha de Liliane Bettencourt, a dona do império L’Oreal, que morreu em 2017. Françoise, neta do fundador da marca de cosméticos francesa, acumula uma fortuna de 49,3 mil milhões de dólares.

Portugal surge na lista apenas no lugar 379, representado pela família Amorim, nomeadamente por Maria Fernanda Amorim, a mulher de Américo Amorim, que morreu em 2017. A fortuna da família está estimada em 4,8 mil milhões de dólares.

Na análise aos mais ricos de 2019 a Forbes destaca o facto de, pela segunda vez na última década, o número de multimilionários e das respetivas fortunas ter encolhido. Existem agira 2153 multimilionários no mundo, menos 55 do que em 2018. Destes, 994 estão hoje mais “pobres” do que há um ano. Em conjunto valem 8,7 biliões de dólares, menos 400 mil milhões do que no ano passado.

A China foi uma das grandes responsáveis por este rombo, tendo perdido 49 multimilionários num ano. Só no continente americano, tanto no norte como no sul, o número de fortunas cresceu. Nos EUA até foi batido um recorde: o país tem agora 607 multimilionários, incluindo o seu presidente, Donald Trump.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Tecnologia, roupa de luxo e maquilhagem: quem são os mais ricos do mundo em 2019