Energia

Galp anuncia décima unidade flutuante de produção de petróleo e gás no Brasil

FPSO da Galp e da Petrobras no Brasil

A nova unidade tem uma capacidade de processamento diário de 150 mil barris de petróleo e 6 milhões de m3 de gás natural.

A Galp Energia anunciou esta sexta-feira a entrada em produção da plataforma FPSO P-68, uma unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência de petróleo e gás, no pré-sal da bacia da cidade brasileira de Santos, sendo a décima no país.

“A FPSO P-68 é a décima unidade da empresa a operar no Brasil e terá um importante contributo para a trajetória de crescimento da produção da Galp no país”, indica a empresa, num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A Galp Energia, parceira no consórcio BM-S-11A através da Petrogral Brasil, informa que a nova unidade em produção vai “desenvolver a acumulação de Berbigão, assim como o flanco oeste de Sururu”, na região do pré-sal da bacia de Santos.

“O potencial comercial destes campos é suportado numa extensa base de recursos, que contém petróleo de alta qualidade e de baixo teor de enxofre, assim como gás natural associado”, avançou a empresa, explicando que a nova plataforma foi concebida especificamente para operar em projetos do pré-sal da bacia de Santos, com capacidade para processar diariamente 150 mil barris de petróleo e 6milhões de metros cúbicos de gás natural.

A plataforma é do tipo FPSO (unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência de petróleo e gás) e encontra-se a aproximadamente 230 quilómetros da costa do estado do Rio de Janeiro, ancorada a uma profundidade de água de 2.280 metros.

De acordo com informação da Galp Energia, prevê-se que “a FPSO P-68 seja interligada a um total de 10 poços produtores e sete injetores”.

Em termos de participação no consórcio que desenvolve o bloco BM-S-11A, a Galp, através da subsidiária Petrogal Brasil, tem 10%, a Petrobras tem 42,5%, a Shell Brasil Petróleo Ltda. tem 25% e a Total E&P do Brasil Ltda. os restantes 22,5%.

Segundo o comunicado da Galp Energia ao mercado, “as acumulações de Berbigão e Sururu estão sujeitas a processos de unitização” e “os acordos de individualização de produção foram submetidos à ANP [Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis] e estão ainda pendentes de aprovação por parte do regulador”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
marcelo

Marcelo avisa que Portugal tem de construir um “país diferente”

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

UGT insiste em mais 35 euros de salário mínimo e exige redução de IRS

(João Manuel Ribeiro/Global Imagens)

BCP chega a acordo com sindicatos e atualiza todos os salários com retroativos

Galp anuncia décima unidade flutuante de produção de petróleo e gás no Brasil