Gaspar: Défice pode ficar acima de 10% no primeiro trimestre

ng3106533

O ministro das Finanças diz que os indicadores orçamentais mais recentes são “tranquilizadores”, mas revelou esta tarde no Parlamento que o défice público oficial do primeiro trimestre pode ficar acima dos 10% do produto interno bruto (PIB) devido à novas ajudas do Estado à banca, neste caso, ao Banif.

Vítor Gaspar, na sua declaração inicial na comissão de orçamento e finanças, diz que os sinais da execução orçamental até maio “são tranquilizadores”, tendo destacado o “segundo melhor desempenho de maio do IRC dos últimos seis anos”, sobretudo o que foi pago pelas grandes empresas.

No entanto, revelou que o primeiro trimestre deverá registar um défice público oficial (em contabilidade) “na ordem dos 8,7%”, em linha com as estimativas da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), frisou.

Mas pode ser pior que isso. Segundo o ministro, o défice em contabilidade nacional que o INE publicará na sexta-feira poderá ficar “acima de 10%” caso o INE e o Eurostat decidam fazer mais uma “reclassificação” de despesa, neste caso imputar “mais 700 milhões de euros” às custas dos contribuintes com ajudas à recapitalização dos bancos, no caso em apreço ao Banif.

O défice deste ano como um todo terá de ser, no máximo, 5,5%. É este o novo valor combinado com a troika e que está subjacente ao orçamento retificativo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Novo Banco prevê redução de 1,7 mil milhões de malparado em 2020

Sede do Novo Banco, ex-BES, na Avenida da Liberdade.
(Ângelo Lucasl / Global Imagens )

Novo Banco não afasta que possa vir a pedir mais capital ao Fundo de Resolução

Gaspar: Défice pode ficar acima de 10% no primeiro trimestre