Gaspar: “Tentámos o estímulo económico, mas não resultou”

Vítor Gaspar
Vítor Gaspar

A defesa da austeridade é cada vez mais complicada para os políticos europeus. Vítor Gaspar tem uma missão ainda mais complicada, com o desemprego a aumentar de forma exponencial e a economia a contrair-se da mesma forma. Daí que se multipliquem as vozes contra a austeridade e a favor de um estímulo à economia. Em declarações ao The New York Times (NYT), proferidas há uma semana, mas só ontem publicadas no Dealbook, o ministro das Finanças diz que isso foi tentado em Portugal, “mas não resultou”.

“Em 20008 foi tentada uma abordagem keynesiana, mas o resultado foi que ainda tornou as coisas piores”, disse Vítor Gaspar ao jornal norte-americano, frisando que Portugal pode ser o exemplo de que “políticas expansionistas de curto-prazo podem ser contraproducentes”. Para Vítor Gaspar, o pensamento de Keynes tem “algumas limitações”e que não leva inevitavelmente ao crescimento económico.

A grande luta de Portugal, diz Gaspar, é mesmo ganhar a confiança dos mercados. Com os juros ainda substancialmente mais altos do que os exigidos a Irlanda, Espanha e Itália, o ministro das Finanças adianta ao NYT que tais valores “não reflectem a actual situação”.

Mas a verdade é que existe o receio de Portugal necessitar de um segundo resgate financeiro, já que poucos investidores acreditam que o país esteja em condições de regressar aos mercados em 2013. Mas, como disse Vítor Gaspar ao NYT, tal visão enferma de um problema: as reformas impostas pela troika são exactamente o que Portugal precisa e serão implementadas. Palavra de ministro, a braços com cerca de um milhão de desempregados numa população que cabe inteira na cidade de Nova Iorque…

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Gaspar: “Tentámos o estímulo económico, mas não resultou”